A reforma trabalhista que entrou em vigor em novembro de 2017 trouxe grandes desafios. Além de alterar mais de 100 pontos da CLT trazendo novas definições sobre férias e jornada de trabalho, as propostas não foram debatidas com os principais interessados, os trabalhadores.

Apesar de inúmeras ações sindicais se posicionarem contra, a nova legislação foi aprovada apressadamente no Senado. Os novos termos prejudicam os trabalhadores e dificultam a principal função dos sindicatos, que é amparar os empregados.

Diante desse novo cenário, o SindMetal-GO está trabalhando para driblar as dificuldades, otimizando a gestão do sindicato e dando continuidade aos serviços em prol dos trabalhadores goianos.

É importante lembrar que o SindMetal-GO foi a única entidade do país a fechar a convenção com índice acima da inflação, mantendo as cláusulas convencionais vigentes a favor da classe de trabalhadores e excluindo a reforma trabalhista. Diferentemente de outros sindicatos que ainda tentam negociar com o patronal.

O presidente do SindMetal-GO, Eugênio Francisco, faz questão de afirmar que os sindicalistas são os que possuem autonomia para combater irregularidades e atuar a favor dos empregados. “Trabalhador sindicalizado é trabalhador protegido”, garante o presidente.

Portanto, o SindMetal-GO faz um alerta para que todos percebam a necessidade de unir forças nesse momento de crise. Somente diante de uma adesão em massa ao movimento será possível fortalecer a classe de trabalhadores. Garantindo os direitos da categoria, mantendo os benefícios e assistências oferecidos aos associados.