Vendas em março crescem 20,8%

São Paulo – As vendas de veículos caíram 5,5% em março em comparação ao ano passado, segundo dados divulgados ontem pela Federação Nacional da Distribuição dos Veículos Automotores (Fenabrave). É o segundo mês seguido com redução das vendas em relação ao ano passado. Em fevereiro, a queda foi de 5,8%.

Por outro lado, as vendas se recuperaram em relação a fevereiro, com alta de 20,8%, após terem despencado 24,5% no mês passado. No trimestre, há alta de 1,5% em relação a 2012, sustentada pelo bom desempenho de janeiro, que teve o melhor resultado da história, quando houve alta de 16,1% em relação a 2012.

No total, foram negociados 284 mil novas unidades em janeiro, e 830 mil no trimestre.

Indústria

Após a queda no mês passado, a Fenabrave revisou as projeções de venda de 3% para 2,6%. O presidente da associação de montadoras, Anfavea, Cledorvino Belini, afirmou hoje que sem a prorrogação da redução do IPI seria “difícil para o setor chegar ao crescimento” esperado para este ano, de entre 3,5% e 4,5% nas vendas.

“Este ano, as vendas vão ser mais “flat” (estáveis), sem grandes picos como o recorde histórico de agosto (de 2012)”, disse Belini, também presidente do grupo Fiat para América Latina. Segundo Belini, a decisão do governo de prorrogar a redução do IPI, que voltaria a patamares normais até o final de junho, “foi uma medida preventiva” para evitar enfraquecimento do setor.

Ele evitou comentar sobre a produção de veículos em março, mas afirmou que acredita que o volume produzido tenha sido maior que fevereiro, quando algumas montadoras concederam período de férias a funcionários. “Estou esperançoso que a produção tenha sido boa”, disse Belini. A Anfavea divulga os dados fechados de produção na quinta-feira.

IPI menor pode conter inflação

São Paulo – Ao manter o desconto do IPI para automóveis -anunciado no final de semana-, o governo dá mais uma ajuda para tentar baixar a inflação. Os preços de automóveis novos, que subiram 2% nos primeiros dois meses do ano, segundo dados do IBGE, devem interromper a escalada com a medida do governo, preveem revendedores. O grupo Transportes é o segundo mais importante na composição da inflação, só atrás de alimentos.

No ano passado, os preços de automóveis novos recuaram 5,71%, com a ajuda da redução do IPI. E sozinhos retiraram 0,21 ponto percentual da inflação oficial -que fechou o ano em 5,84%. Neste ano, economistas esperavam uma recomposição dos preços, com a volta do imposto e aumentos de insumos, como o aço.

Com a prorrogação do IPI mais baixo até dezembro, o governo deve retirar entre 0,1 e 0,2 da inflação (IPCA) do ano, estimam analistas.

Fonte: O Popular (GO)