Pesquisa diz que nível de estresse do brasileiro está mais alto que no ano passado. Preocupações aumentam no final do ano

Carga excessiva de trabalho, nível de instabilidade no emprego e a competição exagerada no ambiente de trabalho são as principais causas de estresse no trabalhador. Não faltam pesquisas que comprovem a afirmativa. No final do ano, tudo parece ainda pior. O trânsito piora, as lojas ficam cheias, o número de tarefas no trabalho parece aumentar. O resultado dessa equação é que o estresse do brasileiro aumenta em até 75% no final do ano, segundo a psicóloga Ana Maria Rossi, presidente da Internacional Stress Management Association do Brasil (Isma-BR), associação voltada para o estudo do estresse.

Outro levantamento, este realizado pela empresa de soluções para escritórios Regus, revelou que dois quintos dos trabalhadores brasileiros, ou 41%, afirmam que os níveis de estresse aumentaram em relação ao ano passado. O estudo consultou mais de 16 mil trabalhadores em todo o mundo e mostra que a maioria dos gatilhos que elevam o estresse é de natureza profissional e não pessoal. Encabeçam a lista de causas a preocupação com o emprego, as finanças pessoais e os clientes.

As opiniões dos consultados são distribuídas da seguinte forma: trabalho (55%), finanças pessoais (45%) e clientes (38%). Os trabalhadores de pequenas empresas estão mais propensos ao estresse causado pelos clientes (41%) que os trabalhadores de grandes empresas (33%). Em compensação, são menos cobrados pelos gerentes (21%) que seus colegas de empresas maiores (42%).

“A carga de estresse não recai apenas sobre eles (trabalhadores), reflete também nos negócios, pois é aí que se percebe o rendimento das equipes abaixo do esperado, a necessidade de maior número de afastamentos por motivo de doença e a diminuição da eficiência”, comenta Guilherme Ribeiro, diretor-geral da Regus no Brasil.

Esse nível excessivo de estresse no trabalho pode causar problemas não somente na vida profissional, mas também na pessoal. Dores de cabeça, fadiga, mau humor, insônia e até mesmo falta de memória são sintomas que podem destruir a produtividade no trabalho.

Fonte: O Hoje (GO)