O presidente interino Michel Temer (PMDB) deverá anunciar medidas de combate ao estupro no país nesta semana. Uma delas, já definida pelo peemedebista, será a criação de um departamento na Polícia Federal para crimes contra mulheres, que agrupará informações estaduais e coordenará ações em todo país. As outras ainda serão discutidas com áreas afins nos próximos dias e podem envolver o agravamento de pena para o crime.

O deputado federal Rogério Rosso (PSD-DF) afirmou à reportagem que Temer está “muito consternado” com o caso de estupro de uma adolescente de 16 anos por mais de 30 homens no Rio de Janeiro, ocorrido nesta semana. O congressista levou sua família para almoçar com o interino neste domingo (29).

“Ele está acompanhando essa questão muito de perto. Ele não deu detalhes, mas está muito focado neste tema junto ao Ministério da Justiça”, disse Rosso. Em nota publicada na sexta (27), Temer afirmou ser um “absurdo que em pleno século 21 tenhamos que conviver com crimes bárbaros como esse”.

Na próxima terça (31), o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, se reunirá com os secretários de segurança de todo o país para “tomar medidas efetivas para combater a violência contra a mulher”, disse.

Temer foi alvo de críticas em diversas manifestações realizadas neste fim de semana pelo país em repúdio ao caso de estupro da adolescente de 16 anos no Rio de Janeiro nesta semana. Em Brasília, manifestantes levaram, além de cartazes contra o machismo e a violência contra as mulheres, placas com “Fora Temer” escrito.

De acordo com Rosso, eles também conversaram sobre a situação econômica do país e Temer demonstrou grande preocupação com o aumento do número de desempregados no país e o deficit fiscal de R$ 170 bilhões.

“Ele está confiante em relação ao Congresso e focado em resolver as questões econômicas, a retomada da credibilidade do país junto aos investidores locais e externos e o equilíbrio das contas públicas”, disse.

Questionado sobre se Temer teria comentado a entrevista publicada neste domingo pela Folha de S. Paulo com a presidente afastada Dilma Rousseff (PT), Rosso afirmou que o peemedebista não falou sobre o assunto. “Acredito que ele não quer perder tempo com ataques pessoais”, disse.

Dilma afirmou que o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) manda no governo e que Temer terá que se ajoelhar a ele. A petista disse ainda que a divulgação de conversas entre o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e caciques do PMDB tornam as razões do impeachment “cada vez mais claras”.

Agenda

No início da noite, Temer recebeu o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimentos, Moreira Franco. Até as 20h, os dois permaneciam com o presidente no Palácio do Jaburu, residência oficial da vice-presidência da República.

Temer voltou de São Paulo para Brasília na tarde deste sábado (28). Ele recebeu o ministro do STF (Supremo Tribunal Federa) e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Gilmar Mendes para tratar da recomposição orçamentária do tribunal para as eleições municipais deste ano.

Segundo dado do próprio tribunal, é necessário um aporte de pelo menos R$ 150 milhões dos R$ 250 milhões que foram cortados da Justiça Eleitoral.

A situação mais urgente seria a falta de recursos para a fabricação de 90 mil novas urnas para serem distribuídas em todos os estados.
 

Fonte: O Popular