PNAD Contínua aponta que na região Centro-Oeste a queda na desocupação foi de 6%. No País, redução foi de 7,4%

A taxa de desocupação da economia brasileira ficou em 7,4% no segundo trimestre de 2013. O índice ficou 0,6 ponto percentual abaixo da verificada no trimestre imediatamente anterior, que registrou taxa de desocupação de 8%.

A quantidade de pessoas empregadas no segundo trimestre atingiu 90,6 milhões, montante 1,2 milhão acima do registrado nos três primeiros meses do ano passado.

O volume de pessoas desocupadas atingiu 7,3 milhões de abril a junho do ano passado, o que representou uma queda de 0,5 milhão em relação ao apurado no primeiro trimestre de 2013, quando 7,8 milhões de pessoas estavam desempregadas.

Os números constam da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílio Contínua), a primeira da série nacional, divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No Centro-Oeste a taxa de desocupação caiu menos que no País (6%). Na região é possível ver que quanto maior o grau de instrução, menor é o desemprego. No segundo trimestre de 2013, o maior percentual de pessoas ocupadas no Centro-Oeste está na faixa etária de 25 a 39 anos de 40,5%, destes 28,8% tem ensino médio completo e 72,6% trabalham como empregados. Apenas 4,5% são empregadores e 21% trabalham por conta própria. Ele explicou que essa mudança no perfil da pesquisa ocorreu por uma demanda da sociedade que pedia informações mais exatas da realidade e um retrato mais fiel do mercado de trabalho.

Segundo o chefe do IBGE no Estado de Goiás, Edson Roberto Vieira, o estudo faz um retrato mais fiel do mercado de trabalho no Brasil e nas regiões.

A PNAD Contínua aponta que no 2º trimestre de 2013 as mulheres eram maioria na população em idade de trabalhar, 52,3% no Brasil e 51,4% na Região Centro-Oeste. Todavia, entre as pessoas ocupadas, verificou-se a predominância de homens, 57,6% no Brasil e 58,3% na Região Centro-Oeste. A próxima edição da pesquisa que será divulgada em março trará os resultados do 3º e 4º trimestres de 2013 e a de junho o 1º trimestre de 2014, vai abranger cerca de 3,5 mil municípios brasileiros.

Já no 2º trimestre de 2012, a taxa de desocupação no Brasil foi de 7,4%, para os homens o índice foi de 6% e para as mulheres de 9,3%. Na Região Centro-Oeste, a taxa de desocupação foi estimada em 6% no 2º trimestre de 2012, sendo de 4,7% para os homens e 7,7% para as mulheres.

Idade

A pesquisa avaliou pessoas aptas para o trabalho a partir dos 14 anos de idade. Segundo Edson Vieira, o levantamento abrange as novas discussões da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e já observa essas discussões, em que prevê trabalhadores com idade menor do que 18 anos. A PNAD Contínua aponta que o percentual de pessoas em idade de trabalhar no Centro-Oeste, de 14 a 17 anos corresponde a 8,9% e na faixa de 18 a 24 anos o percentual é de 14,6%. O maior percentual de pessoas ocupadas no Centro-Oeste está na faixa etária de 25 a 39 anos com 40,5%.

Em outro item, o levantamento mostra que no Brasil 41% sas pessoas em idade de trabalhar não tinham completado o ensino fundamental, 40,3% haviam completado ao menos o ensino médio. Na região Centro-Oeste 42,3% já tinha completado o ensino médio e no Sudeste 46,5%, trata-se dos maiores percentuais dentre as regiões do País. No caso do ensino superior completo, o Centro-Oeste ficou com 12,4% e atrás somente da região Sudeste com 13,3%. No Brasil essa parcela da população compreende 10,7%. Considerando os níveis de carteira assinada, no 2º trimestre 2012 no Centro-Oeste era de 76,7%, já no 2º trimestre de 2013 era de 77,4%.

Fonte: O Hoje