O encontro colocou em pauta questões acerca do sindicalismo brasileiro

Na última terça-feira, 17 de julho de 2012, foi realizado em Goiânia uma reunião da ESUEGO (Entidades Sindicais Unidas do Estado de Goiás) e do FST (Fórum Sindical dos Trabalhadores Estadual).


Reunião com ESUEGO teve a presença de várias lideranças sindicais

O evento ocorreu no salão do SINTRACOM (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Goiânia) e teve a presença do coordenador nacional do FST e presidente da FENATEST (Federação Nacional dos Técnicos de Segurança do Trabalho), José Augusto da Silva Filho, do presidente do SindMetal-GO, Roberto Ferreira, e de várias outras lideranças sindicais.


Coordenador nacional do FST e presidente da FENATEST,  José Augusto da Silva Filho

De acordo com a pauta seriam discutidos dois temas centrais: a defesa das contribuições sindical e assistencial, e a defesa da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Contudo, a questão da contribuição assistencial não foi abordada.

Para José Augusto, a CLT precisa ser atualizada, uma vez que já completa 69 anos de idade. Ao final da apresentação de José Augusto, os presentes puderam tomar a palavra e expor suas opiniões acerca dos temas debatidos.

O presidente do SindMetal-GO, Roberto Ferreira, foi um dos últimos a falar e gerou polêmica na sala. Ele enfatizou a responsabilidade dos dirigentes no atual cenário do sindicalismo brasileiro. “Nós não temos a capacidade de mudar. O movimento sindical vive de enganação. Noventa por cento estão podres! Precisamos renovar nossas cabeças sem nos vingar dos trabalhadores.”


Presidente do SindMetal -GO, Roberto Ferreira

Veja também:
>> SindMetal-GO envia ofícios a empresas que não cumprem Convenção Coletiva de Trabalho
>> FITIM passa a integrar novo sindicato mundial
>> SindMetal-GO confirma realização da 28ª Spat Metalúrgica

Fonte: Assessoria de Comunicação do SindMetal-GO