Trabalhadores aprovam índice de 15%, o maior percentual até agora

Nem só de decepções é feita a Negociação Coletiva de 2013. Muitos empresários provam que não querem cuidar dos interesses do seu trabalhador e, por esse motivo, a categoria decidiu dar início ao movimento grevista. Ao contrário da maioria das empresas na grande Goiânia, a Metalúrgica Rezende se mostrou aberta à negociação.

Na primeira etapa da negociação a empresa disse a Comissão Negociadora do SindMetal-GO que ofereceria apenas 10%  de aumento, porcentagem que foi recusada pelos trabalhadores. Já na segunda etapa a contraproposta da Rezende foi de 13%, índice que também não agradou aos metalúrgicos.

Ao perceber que a categoria não abriria mão dos 15% de aumento salarial, a empresa voltou a negociar com o sindicato dos trabalhadores. As negociações só não foram bem sucedidas quanto à cesta básica requerida pelo trabalhador, que foi vetada sem possibilidade de novas propostas.


Metalúrgicos votam a favor da proposta oferecida pela Metalúrgica Rezende

No dia 29 de maio, o SindMetal-GO voltou à metalúrgica para reunir-se com os trabalhadores e abrir as votações quanto ao novo índice salarial proposto, de 15%. A grande maioria optou por aceitar a porcentagem oferecida, mesmo com a recusa da cesta básica, já que o maior índice negociado até agora foi o da Rezende. 

Leia mais

>>Metalúrgicos decretam greve em assembleia no SindMetal-GO

>>Empresários da Mangels intimidam trabalhadores

>>Empregados da Brasmom já decidiram: é greve!

 

Fonte: Assessoria de Comunicação e Marketing do SindMetal-GO