Representantes de entidades sindicais e de movimentos social e estudantil da região de São José dos Campos, no interior de São Paulo

São Paulo, 23 – Representantes de entidades sindicais e de movimentos social e estudantil da região de São José dos Campos, no interior de São Paulo, prometem realizar na manhã desta segunda-feira, 23, uma manifestação contra a desocupação do acampamento Pinheirinho, na zona sul da cidade. Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e Região, o ato deve ser feito também em outras cidades do País ao longo do dia.

A comunidade foi desocupada no começo da manhã deste domingo, 22, após uma decisão judicial que determinou a reintegração de posse do terreno de 1,3 milhão de metros quadrados, que pertence à massa falida da empresa Selecta S/A, do empresário libanês Naji Nahas. Confrontos entre policiais e manifestantes deixaram três feridos, 18 presos e oito carros queimados.

A manifestação está prevista para começar às 9 horas, na Praça Afonso Pena, em São José dos Campos. O objetivo é denunciar a ação dos governos estadual e municipal do PSDB que ordenaram o despejo de nove mil famílias da ocupação.

As famílias, principalmente idosos, mulheres e crianças, estão alojadas, segundo o sindicato, em abrigos improvisados e sem estrutura da Prefeitura, que sequer conseguiu atender a todos. Cerca de mil moradores se abrigaram na Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e chegaram a ser atacadas com bombas pela PM, por volta das 23h deste domingo, 22.

Ainda ontem, cerca de 500 pessoas se reuniram na região da Avenida Paulista, em São Paulo, em protesto contra a ação da PM. O ato começou a ser organizado no início da tarde nas redes sociais, principalmente por meio do Facebook e do Twitter. O ex-procurador-geral do Estado de São Paulo Marcio Sotelo Felippe foi um dos organizadores do evento pela internet, que começou por volta das 17h.

Fonte: Estadão