A Bélgica enfrentou ontem uma greve geral no mesmo dia em que a cúpula da União Europeia (UE) se reuniu em Bruxelas

A Bélgica enfrentou ontem uma greve geral no mesmo dia em que a cúpula da União Europeia (UE) se reuniu em Bruxelas. O transporte e outros serviços públicos foram paralisados na greve nacional, convocada pelos sindicatos em protesto contra as medidas de austeridade adotadas pelo governo local e também contra as tomadas pela União Europeia de uma maneira mais ampla.

Os líderes e ministros europeus que convergiram para Bruxelas, contudo, foram pouco afetados pela greve, uma vez que vários usaram aviões militares dos seus países e também um aeroporto militar perto de Bruxelas para chegar à capital belga. Os sindicatos belgas pediram aos governos europeus que aumentem os impostos para as empresas multinacionais e parem de adotar medidas de austeridade como cortes nas aposentadorias.

Foi a primeira greve geral na Bélgica desde 2005 e a primeira desde 1993 lançada em conjunto pelas três principais centrais sindicais do país. Os sindicatos estão descontentes com os cortes nos gastos públicos de mais de 12 bilhões de euros para 2012.

“O que nós precisamos é de crescimento econômico. A expansão da economia gera empregos. Mas você não obtém crescimento na economia quando suga todo o oxigênio econômico com medidas de austeridade e cada vez mais austeridade”, disse Marc Leemans, líder sindicalista da Democracia Cristã da Bélgica

No total, 23 milhões de pessoas estão desempregadas ao redor da União Europeia, ou 10% da força de trabalho ativa. “Só agora é que começamos a falar sobre o trabalho e o desemprego. É muito tarde, mas melhor tarde do que nunca”, disse o líder sindicalista Rudy De Leeuw, socialista belga.

Os trabalhadores do setor ferroviário começaram a cruzar os braços no fim do domingo. Os primeiros trens deixaram de circular por volta das 21 horas (hora local). Os serviços ferroviários internacionais de alta velocidade Eurostar e Thalys e os trens intermunicipais belgas também estavam parados no país nesta segunda-feira. Não havia também ônibus, trens e metrôs operando.

No aeroporto de Bruxelas, vários voos foram cancelados e outros estavam atrasados. O aeroporto Charleroi, no sul do país, onde geralmente vários voos de baixo custo são operados, estava completamente fechado.

Os funcionários do serviço postal e os do porto da Antuérpia, um dos maiores da Europa, também cruzaram os braços. A greve atingia também o setor privado, com funcionários parando de trabalhar em uma fábrica da Coca-Cola nas proximidades da Antuérpia. 

Fonte: O Popular