Assembleia no próximo domingo define calendário e comissão eleitoral. Sistema é baseado nos comitês sindicais, com votação nas fábricas

São Paulo – O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC inicia no próximo domingo (9), com uma assembleia em sua sede, em São Bernardo do Campo, o processo eleitoral que renovará a diretoria para os próximos três anos. A assembleia escolherá a comissão eleitoral e definirá o calendário, além das chapas que disputarão as eleições nos Comitês Sindicais de Empresa (CSEs), que já representam 70% da categoria.

Segundo o secretário-geral do sindicato, Wagner Santana, o formato, adotado desde 1999, tem como referência as comissões de fábrica da década de 1980. Em entrevista à TVT, ele destaca a importância da organização nos locais de trabalho. “Achamos e acreditamos que o sindicato somente fora da fábrica não funciona plenamente”, afirma.

Ele explica que o critério para a eleição é o da proporcionalidade entre o número total de trabalhadores e de sindicalizados. Uma empresa pequena pode ter, proporcionalmente, mais associados do que uma com maior número de funcionários.

Na eleição anterior, em 2011, foram eleitos 233 representantes em 89 comitês sindicais. Eles formam a direção plena. Em um segundo turno, foram escolhidos os 11 que compõem a direção executiva. Na ocasião, o presidente eleito foi Sérgio Nobre, que posteriormente assumiu como secretário-geral da CUT. A presidência do Sindicato dos Metalúrgicos passou no final de 2012 para Rafael Marques.

De acordo com Alexandre Colombo, do CSE da Ford, o comitê é uma extensão do sindicato, sua função é fiscalizar e lutar pelos direitos dos trabalhadores dentro das empresas. “O processo de eleição é importante porque é democrático, os trabalhadores fazem parte dele”, diz à TVT. Para José Quixabeira de Anchieta, o Paraíba, também da Ford, o sistema aproxima o sindicato dos metalúrgicos no dia a dia.

Fonte: ABC