Terminou sem acordo a primeira rodada de negociação entre SindMetal-GO e Simelgo, realizada nesta quarta-feira, 18 de fevereiro, às 10h, na sede do representante dos trabalhadores.  A diretoria do sindicato patronal mais uma vez não compareceu e foi representada por um assessor jurídico, acompanhado de alguns empresários. Como não houve consenso, uma nova reunião foi agendada para o dia 9 de março.

Dos cinco itens que compõem a pauta de reivindicações, somente o que diz respeito ao aumento salarial mereceu a atenção do Simelgo. Os empresários fizeram uma contraproposta de repassar apenas o índice da inflação acumulada do período que, até o mês de janeiro de 2015, é de 7,13%. Vale frisar que para fechar a inflação da data-base faltam ainda os percentuais dos meses de fevereiro e março de 2015, que ainda não foram divulgados.

 


SindMetal-GO (à esquerda da mesa) e Simelgo (à direita) na mesa de negociação

 

Com relação aos demais itens, causou estranheza não haver qualquer manifestação dos representantes patronais, haja vista que sempre reclamaram da extensa pauta apresentada nas negociações anteriores e, agora, com a pauta enxuta, se esquivam de abrir discussão para se chegar a um desiderato.

O presidente do SindMetal-GO, Nelson de Padua Netto, classificou a reunião como frustrante. “Esperávamos propostas consistentes por parte do Simelgo, mas presenciamos o contrário. Eles se dispuseram a negociar apenas o reajuste salarial e ainda ofereceram um índice que é inaceitável para os trabalhadores” avalia.
 


Presidente do SindMetal-GO, Nelson de Padua Netto, argumenta com os empresários