Goiás fechou 2013 com 2.713 indenizações pagas por morte no trânsito. A informação é da Seguradora Líder-DPVAT, administradora do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT). O número corresponde a 48,42% do que foi pago a toda a Região Centro-Oeste. Diferentemente da média nacional, que registrou queda de 10% em relação a 2012, a quantidade no Estado se manteve quase a mesma em relação ao ano anterior, quando 2.699 familiares foram indenizados.

Somando os três tipos de seguro – por morte, invalidez e reembolso de despesas médicas e hospitalares –, a seguradora aponta um aumento de 25% quantidade de indenizações pagas em 2013, em comparação a 2012. Mas o estudo não separa esse dado por Estados. Levando em consideração a frota de veículos (2.989.574), Goiás aparece em 16º lugar entre as unidades da federação. São 90 seguros concedidos por 100 mil carros.

O veículo que mais causou mortes foi o automóvel (47%), seguido de perto pela motocicleta (40%). O caminhão responde por 11% das mortes e o ônibus, 2%.

O diretor de relações institucionais da Seguradora Líder-DPVAT, Márcio Norton, avalia que as campanhas educativas por conta da lei seca impactaram na redução do índice nacional de mortes. “Mas os casos de invalidez ainda estão altos”, diz.

O diretor diz não saber o motivo do número no Estado ter permanecido praticamente o mesmo. “O que chama a atenção em Goiás, principalmente em Goiânia, é que há uma quantidade anormal de ações judiciais”, afirma.

PROCESSOS

Norton conta que 7 mil pessoas em Goiás acionaram diretamente a Justiça para receber o DPVAT, sem passar pela via administrativa. Segundo ele, é o dobro de ações registradas em São Paulo, Estado que é sete vezes mais populoso e possui uma frota oito vezes maior.

Para o diretor, o grande número de ações onera e prejudica o sistema, além de atravancar o Poder Judiciário sem necessidade. “Solicitar o seguro é fácil, rápido, simples e gratuito. Não é preciso da ajuda de intermediários. Após apresentar toda a documentação necessária nos postos de atendimento, leva no máximo 30 dias para receber o benefício. Pela via judicial, gasta em média dois anos”, explica.

Goiás tem 344 pontos de atendimento do DPVAT, entre Procon, agências dos Correios e corretores de seguro credenciados. Para saber o local dos postos e a lista de documentação, o interessado pode ligar para o telefone 0800-022-1204 ou acessar o site www.dpvatsegurodotransito.com.br.

Mas há quem não ache tão simples assim e prefira a ajuda de um advogado. É o caso do torneiro mecânico Charliston Káprio Rodrigues e Silva, de 35 anos. Em 2010, ele sofreu um acidente de motocicleta e quebrou o fêmur direito em dois lugares. “Hoje, eu manco, não consigo ficar muito tempo de pé e, por causa da platina, sinto dores fortíssimas quando o tempo está frio”, relata.

Como indenização, recebeu cerca de R$ 6 mil. Esperou por dois anos e precisou repassar ao advogado 20% do valor ao qual tinha direito integralmente. “Sozinho, eu nem sabia por onde começar.”

Fonte: O Popular