Rogério Vidal perdeu a perna esquerda em um acidente de moto em 2003. Encostado pelo INSS, depois de passar por 27 cirurgias, resolveu abrir mão de receber o benefício do auxílio doença para voltar a trabalhar. Com a capacidade de trabalho reduzida, Rogério foi alertado por um advogado sobre o direito de receber o auxílio acidente e entrou na justiça para conseguir o benefício apenas oito anos após o acidente.

SIndmetal-go

Cinco anos depois que retornou para o trabalho, Rogério Vidal conheceu o benefício do auxilio acidente. Oito anos depois que se acidentou

O auxílio acidente é pago como uma forma de indenização à trabalhadores que sofreram acidentes de qualquer natureza ou causa durante o trabalho ou no percurso do dia a dia, tendo como consequência a capacidade laborativa reduzida. O gerente executivo do INSS, Ailto Barbosa, explica que esse auxílio, além de não ter carência para os contribuintes, não afeta o salário que o trabalhador já recebia na empresa. “O assegurado receberá 50% do salário mínimo e mais o seu salário designado pela empresa”, conta.

SindMETALGO

“O benefício do auxílio acidente é pago até a aposentadoria e pode ser convertido para aposentadoria por invalidez”, explica o gerente executivo do INSS

A advogada do SindMetal-GO, Milla Fontenelle explica que esse benefício é pouco conhecido pelos trabalhadores. “Tem muita gente que tem o direito de receber esse auxílio e nem sabe, pois ele é confundido com o auxílio doença”. Apesar de ser um beneficio por incapacidade, o auxílio acidente permite que o assegurado trabalhe normalmente com carteira assinada e contribuições previdenciárias. Já o auxílio doença, o assegurado não pode voltar a trabalhar enquanto receber o benefício.