No dia 7 de outubro, os brasileiros vão às urnas para eleger seus representantes desde deputados, senadores e Presidente da República. São eles que vão decidir sobre os rumos dos trabalhadores na Reforma da Previdência.

Recentemente, o presidente Michel Temer deixou claro que vai retomar o projeto ainda este ano, quanto tiver o resultado das eleições.

A votação desse projeto ameaça o futuro de vários profissionais. Por exemplo, quem atua em atividades prejudiciais à saúde, como a maioria dos associados do SindMetal-GO, estão na mira e podem ter dificuldade na hora de se aposentar.

Hoje, não é considerado o critério da idade mínima e empregados em atividade e ambientes insalubres têm direito a aposentadoria especial. Dependendo da atividade, eles podem até requisitar o benefício com um menor tempo de contribuição para a Previdência.

“A aposentadoria especial foi prevista na legislação previdenciária para privilegiar aqueles trabalhadores que, ao longo de toda a vida profissional, trabalham em condições insalubres e que denigrem a saúde deles”, afirma a assessora jurídica do SindMetal-GO, Maria Eugênia.

A advogada do sindicato também lamenta que essa possibilidade de privilégio para os empregados que são expostos a atividades de periculosidade seja prejudicada pelas mudanças. “O projeto de reforma quase extingue essa possibilidade”, lamenta a advogada do SindMetal-GO.

Maria Eugênia também explica que a nova proposta do governo vai exigir que o trabalhador demonstre que ficou doente em decorrência da atividade que exerce. Atualmente, esse tipo de comprovação só é exigido dos trabalhadores que precisam se aposentar por invalidez.