Após reunião no Palácio do Planalto, ele disse, ao lado de representantes de entidades sindicais, que, entretanto, o país continua gerando empregos

O presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vagner Freitas, afirmou nesta quarta-feira (21) que a queda na geração de empregos verificada pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) “preocupa”.

Após reunião no Palácio do Planalto, ele disse, ao lado de representantes de entidades sindicais, que, entretanto, o país continua gerando empregos “mesmo num momento de crise internacional, e que as economias do mundo inteiro não geram empregos”.

“[A queda] preocupa, porque nós queremos, evidentemente, que se gere mais emprego sempre. Esse dado do Caged é um alerta para a gente continuar nas negociações salariais colocar o tema geração de emprego e manutenção de emprego como principal das nossas pautas”, disse Freitas.

O Brasil registrou no mês passado a pior geração de empregos formais para o julho dos últimos dez anos. Foram criadas 41.463 vagas, menor número desde julho de 2003, quando houve criação de 37,2 mil postos.

A ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) minimizou a desaceleração registrada pelo índice do governo. “Emprego, no Brasil, é algo que para nosso orgulho tem sido uma das marcas, uma das formas significativas de nós termos dado segurança para a população brasileira”, disse a ministra.

Segundo ela, o país “tem dado goleada” nesse aspecto. Disse também que ainda não havia conversado com a presidente Dilma Rousseff sobre o assunto.

Fonte: G1