Pesquisa divulgada pelo SEADE-Dieese sobre os jovens e o mercado de trabalho no ABC apontou que apenas quem começou a trabalhar com mais idade ou passou por aprendizado ou estágio têm condições de seguir as melhores carreiras profissionais

Pesquisa divulgada pelo SEADE-Dieese sobre os jovens e o mercado de trabalho no ABC apontou que apenas quem começou a trabalhar com mais idade ou passou por aprendizado ou estágio têm condições de seguir as melhores carreiras profissionais.

Ainda segundo o levantamento, os jovens que por questões econômicas foram obrigados a entrarem no mercado de trabalho mais cedo, tendem a abandonar os estudos por causa da carga horária elevada que assumem.

Devido a este abandono acabam ocupando as vagas com remuneração mais baixa.

“O jovem de família carente é obrigado a trabalhar mais cedo e por ter pouca experiência e formação profissional assume uma jornada extensa entre estudo e trabalho”, analisou o coordenador da Comissão da Juventude Metalúrgica do ABC, Ângelo Máximo de Oliveira, o Max.

“Quando tem que optar entre uma e outra por se sentir sobrecarregado, o jovem acaba abandonando a formação educacional”, continuou o dirigente.

Segundo o estudodo Seade-Dieese, para alguns jovens, como os que fazem parte de famílias com maiores rendimentos, o ingresso ao mercado de trabalho acontece como meio de aprendizado, visando qualificação profissional e independência econômica.

O próprio mercado exigiria maior escolaridade e experiência profissional, bem como atualização das qualificações.

“Uma bandeira da nossa Comissão é para o jovem que não tem esta ‘retaguarda’ da família consiga um complemento financeiro durante a fase escolar e assim consiga trabalhar com uma carga horária menor, sem prejudicar os estudos”, afirmou Max.

Qualificação

Ainda pela pesquisa, quando a condição socioeconômica da família exige a conciliação entre trabalho e estudo, encontrar trabalho parece ser mais difícil para estes jovens do que para os demais.

Exigência

“É uma realidade perversa porque os patrões exigem cada vez mais qualificação profissional, mas não oferecem condições para que os jovens se qualifiquem”, concluiu o coordenador.

O estudo do Seade-Dieese foi realizado entre os anos 2011 e 2012, com jovens entre 16 e 29 anos, que moram nos sete municípios da região do ABC.

Governo federal lança site para ouvir a juventude brasileira

O governo federal inaugurou na última quarta-feira o site Participatório (Observatório Participativo da Juventude), portal direcionado aos jovens do País, com espaço para um fórum de debates virtuais. A rede social foi desenvolvida pela Secretaria Nacional da  Juventude em conjunto com universidades federais, como UFRJ e UFPR, para proporcionar integração com outras redes sociais e blogs e informar as ações cotidianas do governo brasileiro.

O site está em fase de testes e por isso alguns erros podem ocorrer. Você pode acessar o Participatório pelo seguinte link: www.participatorio.juventude.gov.br (também é permitido se cadastrar utilizando redes sociais como Facebook e Twitter). Apesar de ser direcionado aos jovens, qualquer cidadão pode se cadastrar na rede social, independente da idade. 

Fonte: Mundo Sindical