O Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) constatou que em 89% dos acordos salariais feitos em 2010 houve reajustes com aumento real (acima da inflação do período) para os trabalhadores, a maior proporção da série histórica iniciada em 1996.

O Departamento acompanhou 700 grupos de trabalhadores na indústria, comércio e serviços no ano passado, e constatou que em 96% dos acordos firmados os reajustes cobriram, pelo menos, a inflação medida pelo INPC, uma proporção ligeiramente abaixo do verificado em 2006 e 2007.

Esse índice de preços teve variação de 6,47% em 2010, ante 4,11% em 2009 e 6,48% em 2008.

Os responsáveis pela pesquisa também chamaram a atenção para o aumento expressivo das negociações salariais que garantiram ganhos mais altos contra a inflação do período.

Em 2008, apenas 0,3% dos acordos registrados garantiram reajustes 5% da acima da inflação do período; em 2009, essa proporção saltou para 1,4%; e em 2010, essa parcela foi de 4%.

Na ponta oposta –reajustes abaixo da inflação– o Dieese também verificou uma situação mais favorável aos trabalhadores.

Em 2008, para 11% dos casos registrados, os reajustes salariais ficaram abaixo do INPC daquele ano; em 2009, essa proporção caiu para 8,6%; e em 2010, para 4,3%.

A entidade atribui a evolução do quadro salarial à “retomada vigorosa do crescimento” bem como às taxas de inflação e desemprego mais baixas, o que forneceu o contexto adequado para os trabalhadores negociarem melhores acordos. No entanto, o aumento recente das pressões inflacionárias foi citado como um risco para esse processo

Fonte: Folha.com