Aumento de 3,3% na venda de veículos automotores foi principal responsável pela boa performance do setor em agosto

A produção industrial avançou pelo terceiro mês consecutivo em agosto. A alta de 1,5%, a maior desde maio do ano passado, foi puxada por setores beneficiados pela redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “O crescimento da produção foi muito calcado em bens de consumo duráveis, e não por acaso eles foram os beneficiados pela redução de IPI. A produção de automóveis, eletrodomésticos e móveis são destaques. Em três meses, há um ganho acumulado de 9,4% na produção dos bens de consumo duráveis”, disse André Macedo, gerente da Coordenação de Indústria do IBGE.

O aumento de 3,3% na venda de veículos automotores foi o principal responsável pela boa performance da indústria em agosto, mas a expectativa é de que o segmento deva provocar uma queda na próxima leitura do indicador, devido à diminuição nas vendas de automóveis em setembro, anunciada pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Mesmo assim, analistas preveem que o resultado não impedirá um PIB melhor no terceiro trimestre.

Em agosto, a divulgação do forte crescimento da indústria foi acompanhada por revisões das taxas dos meses anteriores, que mostram agora um desempenho ligeiramente melhor. Os dados foram bem recebidos pelo Instituto de Es­tudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), que considerou “um resultado robusto, que reflete a retomada da economia brasileira e confirma uma possível nova tendência para a indústria brasileira já neste segundo se­mestre”.

Entre julho e agosto, todas as categorias de uso da indústria mostraram expansão na produção, assim como 20 das 27 atividades pesquisadas. “Esse resultado de agosto, além de ter magnitude mais intensa em relação aos meses anteriores, mostra também um espalhamento do crescimento, algo que não era observado dentro do segmento industrial havia algum tempo”, contou Macedo.

Fonte: O Hoje (GO)