Estados do Ceará, Pernambuco, Pará e São Paulo foram os principais destaques, segundo IBGE

A produção industrial aumentou em 11 dos 14 locais pesquisados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em outubro na comparação com setembro, segundo a Pesquisa Industrial Mensal Produção Física – Regional, divulgada nesta terça-feira (10). Os principais destaques foram Ceará, Pernambuco, Pará e São Paulo.

Os outros locais pesquisados que apresentaram resultado positivo na produção industrial foram: Paraná, Espírito Santo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Amazonas, Santa Catarina e Goiás. Na média nacional, a produção industrial aumentou 0,6% em outubro na comparação com setembro.

Na contramão da maioria dos locais com resultado positivo, tiveram desempenho negativo a Bahia, pressionada pelas perdas verificadas nos setores de produtos químicos e de veículos automotores, Região Nordeste e Rio de Janeiro.

Na comparação entre outubro de 2013 com o mesmo mês de 2012, sete dos 14 locais estudados pelo IBGE tiveram aumento na produção industrial. Os destaques foram Rio Grande do Sul (14,5%), Paraná (13,0%) e Ceará (11,8%) assinalando taxas positivas de dois dígitos. Outras regiões que registraram alta foram Santa Catarina, Amazonas, São Paulo e Pernambuco.

Por outro lado, quedas na produção foram registraras no Espírito Santo, Bahia, Rio de Janeiro, Região Nordeste, Pará, Goiás e Minas Gerais. Vale citar que outubro de 2013 (23 dias) teve um dia útil a mais que igual mês do ano anterior (22). 

Janeiro a outubro

Entre janeiro e outubro de 2013, o setor industrial nacional mostrou expansão de 1,6%, sendo que dez dos 14 locais pesquisados tiveram crescimento na produção. Tiveram aumentos no ritmo industrial o Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia, Goiás, Ceará, Santa Catarina, São Paulo, Amazonas, Região Nordeste e Rio de Janeiro. A comparação é feita com o mesmo período de 2012.

Nesses locais, o maior dinamismo foi particularmente influenciado por fatores relacionados ao aumento na fabricação de bens de capital e de bens de consumo duráveis, além da maior produção vinda dos setores de refino de petróleo e produção de álcool, produtos têxteis, calçados e artigos de couro e alimentos.

Por outro lado, tiveram queda na produção industrial Espírito Santo e Pará, especialmente a menor produção de metalurgia básica, alimentos e indústrias extrativas, no primeiro local, e de metalurgia básica, indústrias extrativas e de celulose, papel e produtos de papel, no segundo. Completam a lista Minas Gerais e Pernambuco.

 

Fonte: R7