Os maiores avanços ocorreram no Pará, Rio Grande do Sul, Bahia, Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro

A produção industrial aumentou em 10 dos 14 locais pesquisados pelo IBGE de maio para junho, divulgou nesta quinta-feira (8) o instituto.

Os maiores avanços ocorreram no Pará (5,9%), Rio Grande do Sul (3,9%), Bahia (3,1%), Santa Catarina (2,9%), São Paulo (2,9%) e Rio de Janeiro (2,3%).

Ao vivo: acompanhe os destaques do mercado financeiro no liveblog do Folhainvest

Também houve alta na região Nordeste (1,8%), Ceará (1,7%), Pernambuco (1,5%) e Espírito Santo (1,2%).

Na outra ponta, foi registrada a queda mais intensa no Paraná (3%), eliminando parte da expensão de 7,4% que foi acumulada entre março e maio.

Apresentaram resultado também negativo Goiás (-2,3%), Amazonas (-2,2%) e Minas Gerais (-0,8%).

OUTRAS COMPARAÇÕES

De acordo com o IBGE, também houve expansão em 10 dos 14 locais pesquisados no indicador acumulado do ano em comparação com o mesmo período de 2012.

Em sete desses locais, houve avanço acima da média nacional (1,9%): Bahia (5,9%), Rio Grande do Sul (4,7%), São Paulo (2,9%), um dos principais centros industriais do país, Ceará (2,7%), Amazonas (2,2%), Goiás (2,0%) e região Nordeste (2,0%).

Já na comparação com junho de 2012, o setor industrial avançou 3,1%, com expansão em nove dos 14 locais pesquisados.

As taxas positivas mais intensas foram observadas no Rio Grande do Sul (11,8%) e Bahia (9,9%).

A indústria do Rio Grande do Sul foi impulsionada pelo comportamento positivo dos setores de máquinas e equipamentos (silos metálicos, fornos industriais não-elétricos, máquinas para colheita e aparelhos de ar-condicionado para uso central), refino de petróleo e produção de álcool (gasolina automotiva e óleo diesel) e veículos automotores (automóveis).

Já a Bahia teve o resultado impulsionado pelos setores de refino de petróleo e produção de álcool (óleo diesel, gasolina automotiva, álcool e querosenes de aviação), produtos químicos (resinas termoplásticas) e metalurgia básica (barras, perfis e vergalhões de cobre).

Também tiveram taxas positivas Rio de Janeiro (5,2%), região Nordeste (4,5%), Paraná (4,4%), Pernambuco (3,6%), São Paulo (3,1%), Ceará (2,4%) e Goiás (2,4%).

Pará (-7,0%) e Espírito Santo (-6,0%) apontaram os resultados negativos mais intensos no índice mensal.

Segundo o IBGE, isso ocorreu porque a indústria nesses locais foi pressionada pelos recuos em metalurgia básica (óxido de alumínio) na indústria paraense, e alimentos e bebidas (produtos embutidos ou de salamaria e bombons) e metalurgia básica (lingotes, blocos, tarugos ou placas de aços ao carbono), no setor industrial capixaba.

As demais taxas negativas foram verificadas em Minas Gerais (-1,4%), Amazonas (-0,6%) e Santa Catarina.

Fonte: Folha de São Paulo