A inflação calculada pelo Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) acelerou na primeira prévia de outubro, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (9) pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O indicador ficou em 1,64%, ante 0,56% no mesmo período de setembro. O indicador é conhecido como “inflação do aluguel” por ser usado para reajustar a maioria dos contratos de aluguel residencial.A maior alta veio dos preços no atacado, que subiram 2,36%, depois de uma alta de 0,75% na semana anterior. Entre os componentes do Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), as principais influências de alta vieram dos preços da soja (7,32%), farelo de soja (11,06%) e milho (10,69%).

Em contrapartida, as maiores influências de queda foram dos preços da batata inglesa (-13,7%), querosene de aviação (-7,66%) e sucos concentrados de laranja (-13,99%).

Para o consumidor, a inflação registrada ficou em 0,4%, ante 0,25% na primeira prévia de setembro. As altas que mais pesaram vieram de tarifa de ônibus urbano (2,78%), gás de botijão (10,27%) e refeições em bares e restaurantes (0,61%). Já as principais quedas foram da ceblo (-25,29%), gasolina (-0,55%) e tomate (-5,36%).

Terceiro componente do IGP-M, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) acelerou de 0,09% para 0,12%, puxado pelos preços dos materiais, cuja alta acelerou de 0,19% para 0,12%. Já o preço da mão-de-obra voltou a ficar estável.

Fonte: G1