Produção industrial registrou recuo de 0,5% no País no mês de março, mostra IBGE

Empresários com o otimismo reduzido e o pé no freio nos investimentos. Consumidores menos dispostos a comprar diante de juros maiores e crédito escasso. Essa combinação fez a indústria patinar no primeiro trimestre deste ano e avançar apenas 0,4% ante igual período de 2013.

A pior notícia é que o setor caminha para crescer ainda menos do que o previsto em 2014. É que o IBGE reformulou a sua pesquisa de indústria e constatou um incremento maior em 2013 – de 2,3%, acima do 1,2% do antigo levantamento.

Com a base de comparação mais elevada e uma conjuntura que se mostra cada vez mais desfavorável, consultorias já começam a refazer seus cálculos e apontam para um avanço mais fraco da indústria e também do PIB. A Tendências irá rever para baixo sua previsão por causa da base mais forte. Atualmente, as expectativas apontam para expansão de 1,5% e 1,9%, respectivamente.

Com o objetivo de ter um retrato mais fiel da indústria, o IBGE atualizou sua pesquisa mensal sobre o setor, ampliando o número de unidades e produtos investigados. Também foi introduzida nova ponderação para cada segmento industrial e inclusão de Mato Grosso na pesquisa regional do setor, também divulgada mensalmente.

FREIO DOS VEÍCULOS

Com juros maiores, estoques elevados em setores importantes e consumidores acanhados diante do crédito mais caro e da inflação em alta, a indústria recuou 0,5% em março ante fevereiro, ritmo ditado especialmente pela menor produção de veículos.

Afetado pelo fim gradual do IPI reduzido e pelo acúmulo de estoques, o setor foi o que mais contribuiu também negativamente para o desempenho do primeiro trimestre, com queda de 6,3%, seguido por produtos de metal e máquinas e aparelhos elétricos.

Outro dado negativo foi a retração de 0,9% da categoria de bens de capital, que inclui máquinas, equipamentos, caminhões e outros bens destinados ao investimento no aumento da produção, no transporte ou nos serviços. De fevereiro para março, a queda foi de 3,6%.

Para Rodrigo Miyamoto, do Itaú, os dados da indústria “aumentam os riscos” de uma uma atividade econômica “ligeiramente mais baixa” no primeiro trimestre do ano.

Já para o segundo trimestre, o banco espera “um crescimento moderado”, mesma tendência a ser mostrada para todo o ano de 2014.

Fonte: O Popular