A quarta-feira do dia 6 de julho amanheceu ensolarada na Estância Park Hotel, município de Anápolis, no segundo dia do 15º Curso de Formação de Coordenadores promovido pelo sindicato. O céu claro e limpo pode ser entendido como uma metáfora da mente dos 20 participantes, que tiveram a oportunidade de descontruir o sistema educacional brasileiro no primeiro dia de curso, retirando as vendas que cegam o cidadão diante de um governo incompetente e manipulador.

Grupo (à esq.) discute textos de Paulo Freire. Equipe da TV SindMetal (à dir.) realiza a cobertura jornalística

Grupo (à esq.) discute textos de Paulo Freire. Equipe da TV SindMetal (à dir.) realiza a cobertura jornalística

Indignados com o atual sistema e preparados para transformá-lo através da educação, os participantes foram apresentados, neste segundo dia, ao método do educador Paulo Freire. Por meio da leitura de textos, discussões, trabalhos em grupos e apresentações, eles aprenderam como aplicar o método nos cursos promovidos pelo SindMetal-GO aos associados, fomentando o sentimento de indignação e mudança.

Trabalhos em grupo e apresentações estimulam os participantes e ampliam a discussão

Trabalhos em grupo e apresentações estimulam os participantes e ampliam a discussão

No período da tarde, os coordenadores explicaram a estrutura do sindicalismo brasileiro de forma didática, porém crítica. João Vitor da Silveira é diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Catalão e participa do curso. Ele conta que estava desconfiado do método Paulo Freire no início, mas mudou de ideia depois de discutir e analisar em grupo. “O método permite questionamentos e compartilhamento de ideias. É assim que o verdadeiro conhecimento é construído”, diz.

João Vitor, diretor do SIMECAT: "O método Paulo Freire oferece ao estudante um ponto de vista diferenciado, muito mais educativo"

João Vitor, diretor do SIMECAT: “O método Paulo Freire oferece ao estudante um ponto de vista diferenciado, muito mais educativo”