A penetração das importações chegou a 22%, a maior taxa registrada desde 2007, quando os dados começaram a ser tabulados

A participação dos importados no consumo doméstico bateu recorde no primeiro trimestre do ano, segundo a pesquisa Coeficientes de Abertura Comercial divulgada pela CNI (Confederação Nacional da Indústria), nesta quarta-feira (15).

A penetração das importações chegou a 22%, a maior taxa registrada desde 2007, quando os dados começaram a ser tabulados. No trimestre anterior, a participação dos produtos estrangeiros estava em 21,6% do total. O coeficiente apresenta alta desde o primeiro trimestre de 2010.

De acordo com a CNI, o resultado evidencia a perda de competitividade da maior parte dos setores industriais nacionais frente aos concorrentes externos.

A entidade alerta ainda que, se a economia brasileira voltar a crescer a taxas mais elevadas, poderá haver aceleração ainda maior do consumo de produtos importados.

Dos 27 setores pesquisados, houve retração das importações em apenas cinco: extração de petróleo e gás natural, fumo, madeira, papel e celulose e veículos automotores. Em todos os demais, os importados avançaram.

O estudo analisa os valores das exportações, das importações e da produção industrial brasileira acumulados em quatro trimestres.

As exportações, por outro lado, retrocederam. Segundo dados da pesquisa, realizada em parceria com a Funcex (Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior), a participação das vendas externas no faturamento das empresas caiu 0,2 ponto percentual no primeiro trimestre frente ao período imediatamente anterior, chegando a 20,4%.

O resultado interrompeu uma trajetória de alta no índice iniciada no terceiro trimestre de 2010. A taxa máxima já registrada foi de 22,0% no primeiro trimestre de 2007.

A entidade aponta a valorização cambial e a queda dos preços no mercado internacional no período como as principais explicações para a redução do coeficiente de exportações.

Fonte: Folha.com