O Ministério de Minas e Energia publicou uma nota ontem para reforçar que, apesar do apagão da última semana, do baixo nível dos reservatórios e da falta de chuvas no País, “o fornecimento de energia elétrica está assegurado, em quantidade e qualidade necessárias ao adequado atendimento de todos os consumidores”.

A nota explica que “apesar das adversidades climáticas” o planejamento do setor elétrico brasileiro considera um cenário conservador em relação ao consumo e que, nos leilões, é usual o contrato de energia acima das metas de crescimento de mercado, para que haja “sempre excedente”.

Ainda de acordo com o ministério, o sistema de transmissão também está dimensionada considerando um cenário conservador, para “garantir um nível de segurança mesmo em caso de eventuais atrasos de obras”.

Segundo documento publicado no fim de 2013 pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, que reúne as principais autoridades do governo para o trema, hoje 71% das obras de transmissão estão atrasadas. O tempo médio de atraso é de 13,5 meses, maior do que nas obras de geração (8,5 meses).