A agência de classificação de risco Moody’s deve manter a nota do Brasil este ano, caso os indicadores econômicos fiquem parecidos com os de 2013. Pelos cálculos da Moody’s, o Brasil deve ter crescido 2,1% no ano passado e deve avançar 2% em 2014.

Ainda segundo a agência, o superávit primário ficou por volta de 1,8% em 2013 e deve subir para 2,1% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014. “Se estes números da economia vierem em linha com as nossas projeções, então a perspectiva e o rating deverão ficar estáveis neste ano”, comentou o vice-presidente da Moody’s, Mauro Leos.

Na avaliação de Leos, o ano eleitoral não deverá gerar mudanças significativas na tendência de expansão da economia e do superávit primário. “Se ocorrerem alterações nestes indicadores, devem ser em 2015, mas poucos sabem o que vai ocorrer no ano que vem.”

A Moody’s deverá reavaliar o desempenho da economia no fim do semestre. “Em meados deste ano, vamos ver se o PIB e o superávit primário estarão no curso das nossas expectativas”, disse Leos.

A Moody’s espera que a dívida bruta brasileira aumente de 60,4% do PIB em 2013 para 61,9% em 2014. Mas se crescer muito mais do que isso, a nota brasileira será revista. “Não temos limites fixos, mas se a relação dívida/PIB se aproximar de 65% o Brasil pode sofrer um corte no rating (classificação de risco)”, disse Leos.

Fonte: O Popular