Pará é o estado com o maior número de inscritos na lista.

Pecuária é a atividade onde os fiscais mais identificam a exploração.

O Ministério do Trabalho incluiu mais 91 nomes na chamada “lista suja” do trabalho escravo. A relação é atualizada a cada semestre.

A lista suja passa a ter 609 infratores, entre pessoas físicas e jurídicas com atuação nas zonas rural e urbana.

O Pará é o estado com o maior número de patrões inscritos na lista, seguido por Minas Gerais e Mato Grosso. A pecuária é a atividade onde os fiscais mais identificam esse tipo exploração de mão de obra.

Quarenta e oito empregadores foram excluídos do cadastro, após serem monitorados por dois anos e não repetirem as práticas irregulares.

 

Fonte: G1