Trata-se do maior patamar desde novembro de 2008, auge da crise financeira internacional

A queda nas vendas de veículos nos primeiros quatro meses do ano está levando a um movimento de ajustes no ritmo de produção das montadoras. Férias coletivas, redução nas jornadas semanais e a suspensão do trabalho extra aos sábados são expedientes que vêm sendo adotados pelos fabricantes na tentativa de diminuir seus estoques.

No fim de abril, havia 366 mil unidades nos pátios de fábricas e concessionárias, o equivalente a 43 dias de vendas. Trata-se do maior patamar desde novembro de 2008, auge da crise financeira internacional, segundo a Anfavea, entidade que reúne as montadoras.

Temendo que o cenário se agrave e caminhe para uma onda de demissões mais adiante, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC enviou na quinta-feira pedido de audiência ao ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Os trabalhadores querem discutir ações de estímulo ao crédito para a venda de veículos, que caíram principalmente por causa da reação dos bancos à alta da inadimplência.

— O quadro atual exige medidas urgentes para que haja a retomada da produção, das vendas e a preservação dos empregos — disse Sérgio Nobre, presidente do Sindicato dos metalúrgicos do ABC.

Fonte: Correio de Uberlândia (MG)