Os metalúrgicos do ABC (CUT) aprovaram entrar em greve na segunda-feira (10) para pedir aumento real e reposição da inflação nos salários

Os metalúrgicos do ABC (CUT) aprovaram entrar em greve na segunda-feira (10) para pedir aumento real e reposição da inflação nos salários. São 70 mil trabalhadores em campanha salarial na região.

Em assembleia na noite desta quarta-feira (5) na sede do sindicato, em São Bernardo, a categoria votou, por unanimidade, paralisação de um dia nas fábricas da região –exceto nas montadoras que já fecharam acordo salarial com validade até 2013 no ano passado.

A pauta de reivindicações da categoria, cuja data-base é setembro, foi entregue aos setores patronais no fim de junho.

Sem acordo com os setores patronais, as empresas de vários segmentos serão alvo do protesto: máquinas e eletrônicos (grupo 2), autopeças (grupo 3), trefilação e laminação (grupo 8), lâmpadas (grupo 10), fundição e estamparia.

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC informou que a paralisação de um dia pode se transformar em greve por tempo determinado.

“Se não atenderem à nossa reivindicação, se não negociarem, haverá greve por tempo indeterminado”, disse o vice-presidente da entidade, Rafael Marques.

Os trabalhadores pedem o mesmo índice de reajuste obtido nas montadoras na campanha salarial de 2011. No total, a região tem 105 mil trabalhadores, incluindo os 35 mil das montadoras.

FORA DA GREVE

Os 35 mil metalúrgicos das montadoras –Ford, Volkswagen, Mercedes-Benz e Scania– negociaram em 2011 acordo salarial com validade de dois anos.

Por esse acordo, eles obtiveram 10% de aumento salarial –percentual que inclui 7,26% de reposição da inflação medida pelo INPC, do IBGE, e a 2,55% de aumento real. Também houve pagamento de abono de R$ 2.500.

Para este ano, o acodo prevê reajuste que combina reposição da inflação do período e 2,39% de aumento real. O abono pago neste ano será novamente de R$ 2.500, aplicado reajuste pelo INPC do período mais aumento real.

GENERAL MOTORS

Fora da base dos metalúrgicos do ABC, os trabalhadores da GM de São José dos Campos, representados por sindicalistas da Conlutas, e os da unidade de São Caetano do Sul, representados por dirigentes da Força Sindical, também estão em campanha salarial.

Eles se reuniram hoje para negociar um percentual de reajuste. Sindicatos e empresas não divulgaram ainda os termos do acordo, que deverá ser avaliado em assembleia.

Fonte:  Jornal Floripa (SC)