Com foco no respeito, a campanha procura evidenciar três eixos principais: respeito aos acordos e as conquistas históricas da categoria e dos trabalhadores

 

“Mais respeito aos direitos, à saúde, ao valor de quem trabalha”. O Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias e Região apresentou, na manhã desta segunda-feira (20), a campanha salarial 2013. Durante evento realizado no Personal Royal Hotel, imprensa, sindicatos, movimentos sociais e autoridades, entre elas o prefeito da cidade, Alceu Barbosa Velho,  tiveram a oportunidade de conhecer, detalhadamente, as reivindicações, a marca gráfica da campanha pelo dissídio salarial 2013 e a justificativa para a reivindicação do reajuste salarial de 14% e as 71 cláusulas sociais.

Com foco no respeito, a campanha procura evidenciar três eixos principais: respeito aos acordos e as conquistas históricas da categoria e dos trabalhadores; respeito à saúde dos metalúrgicos e à valorização do trabalhador. “Queremos respeito, queremos salários dignos e condições de trabalho adequadas. A categoria que representa 60% do PIB da cidade, e que tem uma das mãos de obra mais qualificadas do mundo merece respeito. Nada mais justo do que termos salários e direitos mais compatíveis com essa responsabilidade. Os metalúrgicos contribuem para o desenvolvimento de Caxias, da região e do país e merecem ser valorizados, e é isso que vamos levar para o SIMECS nesse acordo,” destaca Leandro Velho, presidente em exercício do sindicato.

Conforme o economista, David Fialkow a pauta de reivindicações está em sintonia com a realidade.  “A indústria daqui é diferente das demais do estado. O setor automotivo cresceu. A produção das indústrias da região está ligada a cadeia automotiva nacional, que teve um bom desempenho.” O economista salienta ainda que, as propostas vão no caminho do desenvolvimento nacional, do fortalecimento da indústria. “Precisamos compreender que necessitamos de uma economia forte. A sociedade inteira, trabalhadores, governo, todos trabalham para fortalecer a indústria. O caminho do arrocho e do desemprego, dos juros altos e o dólar baixo já mostrou seus malefícios, atrapalha a produção e só ajuda o capital financeiro.”

E pela primeira vez a edição do café da manhã contou com a presença do prefeito da cidade. Alceu Barbosa Velho em seu pronunciamento destacou que o dissídio é um grande diálogo necessário para uma democracia entre trabalhadores e empresas. “No dissídio quem ganha é o povo trabalhador e toda a sociedade”. O prefeito finalizou desejando a todos um bom acordo.

A pauta de reivindicações foi entregue após o café da manhã aos representantes do sindicato patronal (SIMECS). As primeiras negociações devem ocorrer em junho.

Principais reivindicações

Na campanha salarial deste ano, os metalúrgicos estão reivindicando 14% de reajuste salarial e mais 71 cláusulas. Entre elas, a redução da jornada de trabalho, transporte subsidiado, vale-cultura, estabilidade em caso de acidente de trabalho, auxílio-creche para crianças de até 5 anos, equiparação salarial entre homens e mulheres e, no caso de mesma função,  auxílio-lanche para estudantes e uma atenção especial na situação dos mensalistas e horistas, que trabalham 5 dias por ano de graça para os patrões.
Uma das bandeiras a ser defendida nesta campanha salarial é a elevação do piso da categoria para R$ 1.270.

A pauta de reivindicações do dissídio 2013 dos metalúrgicos foi aprovada por unanimidade em assembleia geral da categoria realizada no dia 11 de maio.  A data-base da categoria é 1º de junho. 

 

Fonte: Mundo Sindical