Este ano a campanha foi diferenciada, tendo em vista que os patrões sentiram mais a força da categoria

Após cerca de dois meses de negociações e intensas mobilizações nas fábricas, enfim, chega-se a um patamar para fechar o acordo da campanha salarial deste ano. Foi isso que a assembleia geral dos metalúrgicos aprovou na manhã deste sábado (20) de muito frio em Caxias. Por unanimidade, os cerca de 500 trabalhadores presentes optaram pela aceitação da proposta vinda da mesa de negociação, cuja última reunião ocorrera na sexta-feira (19), no final do dia.

Metalúrgicos de Caxias 

 O índice aprovado foi de 9,5%, que garantiu aumento real de 2,55%, um dos melhores índices do Brasil e o maior do RS, que será pago retroativo à junho, assim como os demais benefícios. 

Nas cláusulas sociais ocorreram avanços significativos, que refletem as duas últimas semanas de mobilização: o auxilio-creche será pago até os 4 anos e meio da criança e, ficou acertado na mesa, que no ano que vem será consolidado em 5 anos, conforme a reivindicação do Sindicato (o auxílio-creche, até o momento, só é pago até os 3 anos); o desconto do transporte, que era de 5% sobre o salário contratual, agora passa a ser de 3,5%; no que se refere aos pisos da categoria, as duas faixas – para empresas que possuem até 50 funcionários e para as empresas com mais de 50 funcionários – cujos valores atuais são de R$ 761,20 e R$ 836,00 respectivamente, ficou acordado que ambos serão reajustados em 10% imediatamente e, a partir de janeiro, o piso para as empresas com mais de 50 funcionários passará para o valor de R$ 950,00, ou seja, terá um acréscimo de 14%. Além disso, o vale-cultura, que deve entrar em vigor a partir de setembro, será incluído no acordo coletivo da categoria, representando mais R$ 50,00 no salário do trabalhador.

Este ano a campanha foi diferenciada, tendo em vista que os patrões sentiram mais a força da categoria. No caso do índice, os 9,5% foram atingidos ainda no início do mês de julho, graças a estratégia do Sindicato de priorizar uma semana de mobilizações com início no dia 8 e com ênfase também no dia 11, data nacional de paralisação da classe trabalhadora. No momento em que se falava em aceitação da proposta, o Sindicato decidiu dialogar com a categoria para ir além, intensificar um pouco mais a mobilização para ampliar ganhos sociais: foi o que aconteceu.

“Este acordo é um dos maiores acordos coletivos do Estado. E estes avanços que tivemos nas cláusulas sociais são importantíssimos para a categoria”, declarou o presidente em exercício do Sindicato, Leandro Velho, que informou aos trabalhadores que será opcional pagar ou não as horas paralisadas durantes as assembleias nas portas de fábrica bem como a participação na manifestação do dia 11 de julho.

O presidente licenciado da entidade, o deputado federal, Assis Melo estava visivelmente emocionado ao falar das críticas que recebeu por sua participação na Campanha Salarial deste ano. “O meu compromisso é com o trabalhador metalúrgico. O sentimento que fica é de conquista e de que é necessário coragem e luta sempre, para podermos avançar e melhorar as condições de vida dos trabalhadores e das suas famílias”, disse. Ainda, segundo ele, “Os metalúrgicos estiveram sintonizados com a luta geral do povo brasileiro por mais avanços e direitos”.

 

Fonte: Vermelho