Uma das bandeiras a ser defendidas nesta campanha salarial está a elevação do piso da categoria para R$ 1 mil

Os metalúrgicos aprovaram, na manhã deste sábado (5), a pauta de reivindicações do dissídio 2012. Por unanimidade, os trabalhadores que participaram da assembleia realizada na sede da entidade decidiram reivindicar um reajuste salarial de 10% e cláusulas sociais como a redução da jornada de trabalho, transporte subsidiado, estabilidade em caso de acidente de trabalho, equiparação salarial entre homens e mulheres.

Uma das bandeiras a ser defendidas nesta campanha salarial está a elevação do piso da categoria para R$ 1 mil. Hoje o valor pago é de R$ 684,20 nas empresas com até 50 empregados e de R$ 776,60 nas empresas com mais de 50 trabalhadores. “Muitas indústrias caxienses pagam apenas o mínimo e esse valor não é justo, visto que o mínimo regional hoje é de quase R$ 1 mil. Os empresários mesmo dizem que a qualidade da nossa produção é uma das melhores do Brasil, mas na hora de valorizar o trabalhador, que lhes garante o lucro, eles dizem o contrário”, afirmou o presidente em exercício do Sindicato, Leandro Velho.

O fato do piso dos metalúrgicos ser inferior ao regional é uma prova de que o discurso dos empresários, de que o salários são responsáveis pelos problemas da indústria, está equivocado. “O trabalhador não pode ser culpado pela falta de competitividade nem pela desindustrialização. Pelo contrário, o trabalhador é responsável pelo desenvolvimento e, consequentemente, crescimento do faturamento e lucro das empresas”, argumenta Velho, lembrando que os trabalhadores estiveram ao lado dos empresários na luta pela redução dos juros e incentivos do governo ao desenvolvimento da indústria.

O economista do Sindicato, David Fialkow, explicou que o índice de reajuste é, baseado na inflação dos últimos 12 meses (4,7%) e no crescimento registrado pelas empresas no período. “Algumas empresas cresceram 16%, isso com base em um ano em que as empresas já haviam tido um desempenho muito bom. Ou seja, mesmo que as empresas tivessem empatado com o desempenho do ano anterior, estariam muito bem e com condições de reajustar os salários”. Fialkow salientou ainda que os empresários

A pauta de reivindicações será apresentada ao Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico (Simecs), no próximo dia 23, mesma data em que a campanha salarial será apresentada à imprensa da região.

Fonte: Vermelho (SP)