Dois funcionários da General Motors vão disputar o comando do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos

Dois funcionários da General Motors vão disputar o comando do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, cidade do interior de São Paulo, maior entidade sindical do Vale do Paraíba, com 42 mil trabalhadores.

No domino (22), último dia de inscrições das chapas que pretendem participar do pleito, a CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil) formalizou sua candidatura junto à comissão eleitoral.

Nilson Araya, o ‘Chileno’, 33 anos, será o adversário de Antonio Ferreira de Barros, o ‘Macapá’, 31 anos –candidato da situação.

“Vamos atuar na defesa do emprego, como um bom sindicato deve fazer, e buscar investimentos. Hoje, vemos déficit de emprego em todos os lados. Há uma necessidade de renovação”, disse Araya.

Questionado sobre a ‘intransigência’ da atual diretoria durante negociações para atração de investimentos, apontada por lideranças empresariais da cidade, ele afirmou que pretende ouvir todos dos envolvidos no setor.

A gente vai ouvir empregado e avaliar o que os empresários querem. Em negociações, todos tem que ceder um pouquinho”, disse o candidato da CTB.

Base eleitoral

A escolha das chapas por candidatos ligados à GM se explica pelo fato de a empresa ter a maior base eleitoral da categoria. Dos 42 mil trabalhadores metalúrgicos, 21 mil são associados, com em poder de votar. Deste total, um terço é representado por funcionários da montadora.

Para o diretor regional do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), Almir Fernandes, uma mudança no comando da entidade seria benéfica.

“O grande problema de São José dos Campos chama-se Sindicato dos Metalúrgicos. Eles não aceitam nada. Penso que uma mudança seria muito boa para o setor, talvez com alguém com mais diálogo”, disse Fernandes.

Os candidatos devem, a partir da próxima semana, iniciar a campanha nas fábricas. A eleição está marcada para os dias 29 de fevereiro e 1º de março. O vencedor comandará a entidade no triênio 2012-2015. 

Fonte: Mundo Sindical