O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC faz aniversário

O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC – que engloba São Bernardo, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra – comemora hoje 52 anos. Na festa haverá homenagens a personalidades e organizações. Mas a atração principal é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O petista foi escolhido pela diretoria para receber o Prêmio João Ferrador, personagem que marcou a classe. Criada em 2009, a honraria é entregue aos que contribuíram para promover a cidadania, direitos humanos e sociais, justiça e democracia. O primeiro condecorado foi o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

“Lula voltará como um filho da casa, num clima harmonioso”, destacou o presidente do sindicato, Sergio Nobre, reeleito para mandato de três anos no dia 6. Cenário oposto às correrias e ansiedades que marcavam a vinda do ex-metalúrgico quando chefiou o Palácio do Planalto.

Nobre ressaltou a história de Lula com a do sindicato, que ao longo de meio século virou referência, sobretudo nas décadas de 1970 e 1980, quando ocorreram as maiores paralisações no setor, contribuindo para a redemocratização do País. A organização da Central Única dos Trabalhadores partiu do setor metalúrgico. “Chegar à Presidência da República é vitória importante, pois nasceu na miséria, tinha apenas um certificado do Senai e chegou aonde chegou. Mas essa não é uma conquista pessoal, é da categoria”, disse, acrescentando que o movimento sindical começou na região, o que valoriza o evento.

A principal meta do sindicato neste ano é pautar o governo quanto à indústria nacional. Nobre contou que o setor precisa desenvolver produtos de maior valor agregado. “Concorremos com itens de baixa tecnologia com os chineses e os importamos da Europa, é preciso focar nisso para avançar.” Formação técnica para os metalúrgicos também está na agenda da entidade.

CONQUISTAS – Nobre destacou o modelo de organização nas quase 90 empresas ligadas à entidade como importante conquista da categoria. O representante afirmou que a presença sindical permitiu fiscalizar as companhias sobre o cumprimento das leis trabalhistas.

Esse modelo garantiu, no ano passado, maior reajuste já conquistado à classe, de 10,8% . O salário médio mensal do metalúrgico na região é de R$ 3.700, segundo o Dieese. São 104.023 trabalhadores nessa unidade, 43% da mão de obra no Estado.

 

Fonte: Diário do Grande ABC