Maior sindicato dos metalúrgicos na Alemanha rejeitou a proposta de 3% de aumentos salariais para os trabalhadores do sector

Os metalúrgicos alemães convocaram para hoje greves em várias regiões do país, a que deverão aderir milhares de trabalhadores, para exigir aumentos salariais de 6,5%.

O IG Metall, maior sindicato vertical do país, rejeitou a proposta de 3% de aumentos salariais para os 3,6 milhões de trabalhadores do sector, e sustenta a sua exigência nos bons resultados obtidos recentemente pelas empresas e na contenção salarial de anos anteriores.

Uma maior comparticipação do sindicato e das comissões de trabalhadores nas decisões sobre a contratação de pessoal a prazo e a passagem ao quadro de todosos aprendizes são outras reivindicações da IG Metall que deverão ser sublinhadas nas greves de hoje na Baixa-Saxónia, Saxónia, Renânia do Norte-Westfália, Baden-Wuerttemberg e Berlim.

Greve ilimitada pode ser resposta

Num comício para assinalar o 1º de Maio, em Hamburgo, o chefe do IG Metall, Berthold Huber, anunciou uma posição mais dura nas próximas negociações com os representantes do patronato, agendadas para 8 de maio, em Estugarda.

“Não aceitaremos um acordo enquanto não houver soluções aceitáveis para as nossas três reivindicações”, advertiu o líder sindical.

Se até ao final de maio continuar a não haver uma aproximação de posições, o IG Metall convocará um referendo entre os seus filiados sobre a convocação de uma greve ilimitada, acrescentou Huber.

Fonte: Exame Expresso (PT)