O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes realizou, ontem, uma assembleia de mobilização em frente à sua sede, na Vila Industrial, em continuação à campanha salarial deste ano da categoria

O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes realizou, ontem, uma assembleia de mobilização em frente à sua sede, na Vila Industrial, em continuação à campanha salarial deste ano da categoria. O valor do aumento a ser cobrado dos empresários deve girar em torno de 3% acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e só deve ser estipulado em outubro, quando sai a última projeção do indicador antes do fechamento do dissídio, cuja data-base é 1º de novembro.

A pauta de reivindicações já foi entregue no último dia 25 de setembro à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e demais grupos patronais. Além de reposição da inflação e aumento real de salário, a categoria reivindica valorização do piso (que geralmente é fixado de meio a um ponto percentual acima do aumento salarial), redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, licença-maternidade de 180 dias, regularização da terceirização, entre outras cláusulas sociais. Apenas com o IPCA de outubro a categoria poderá dizer de quanto será o aumento salarial cobrado. Pelo acumulado de agosto (5,24%), o aumento, se calculado hoje, seria de 8,24%. Representantes sindicais e patronais devem definir nos próximos dias o calendário de negociações.

Fonte: O Diário de Mogi (SP)