Entre os municípios, 234 fábricas já informaram ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC que concederão o índice

Com data base em 1º de setembro, os metalúrgicos das cidades de São Bernardo, Diadema, Rio Grande da Serra e Ribeirão Pires conquistam, aos poucos, aumento salarial de 8% (5,39% de reposição da inflação do período da data base da categoria, 1º de setembro, e mais 2,5% de aumento real).

Entre os municípios, 234 fábricas já informaram ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC que concederão o índice. Ainda faltam cerca de 20 indústrias. “É preciso ficar bem claro que isto não significa que estamos fechando acordo por empresa”, destacou o secretário-geral da entidade, Wagner Santana, o Wagnão. “Nossa negociação significa apenas uma trégua até que a FEM (Federação dos Metalúrgicos de São Paulo da CUT) assine o acordo os grupos patronais para todo o Estado de São Paulo. Só então a campanha salarial 2012 estará encerrada”, comentou o sindicalista.

Desde o início da campanha, mobilizações, pausas na linha de produção e atrasos nos turnos vem sendo feitos pela categoria como forma de protesto aos índices oferecidos abaixo de 8%.

Até o momento, 37.398 metalúrgicos, ou seja, 37% da base garantiu o índice. Somados aos 35,3 mil trabalhadores nas montadoras, que fecharam seu acordo por dois anos em 2011, são 72.698 funcionários, ou 72% da categoria, com o reajuste garantido para este ano.

“Os patrões tiveram que se submeter à pressão dos companheiros e contrariar os grupos patronais a que pertencem e que insistem em reajuste abaixo das pretensões dos trabalhadores”, afirmou o dirigente sindical.

Até o momento, apenas a bancada patronal da fundição atendeu à reivindicação da base trabalhista e assinou acordo coletivo.

A orientação da federação aos funcionários de companhias que não acatarem o índice é continuar com as paralisações no chão de fábrica.

Estão em campanha trabalhadores pertencentes aos grupos 2 (máquinas e eletrônicos), 3 (autopeças, forjaria, parafusos), 8 (trefilação, laminação de metais ferrosos; refrigeração, equipamentos ferroviários, rodoviários, entre outros) e 10 (lâmpadas, equipamentos odontológicos, iluminação, material bélico).

 

Fonte: Diário do Grande ABC