A inflação, apesar de estar em queda, segue elevada e caindo num ritmo aquém do recomendável

 

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), pré-candidato à Presidência em 2014, disse nesta quarta-feira (29) no Recife que a taxa de juros não pode ser usada como “solução mágica” para conter a inflação.

“A gente sabe que os juros não têm efeito sobre essa realidade”, declarou. “Não se trata de [encontrar] uma solução mágica [para conter a inflação], se trata de um conjunto de soluções que passam não só pela política monetária, mas também por outras políticas”, disse o governador.

Brasil sobe juros na contramão do mundo

A inflação, apesar de estar em queda, segue elevada e caindo num ritmo aquém do recomendável. Nesta quarta, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) vai decidir a nova taxa básica do juro –a Selic–, hoje em 7,5%, depois de um alta de 0,25 ponto percentual no mês passado.

A taxa de juros é o instrumento utilizado pelo BC (Banco Central) para manter a inflação sob controle ou para estimular a economia. Se os juros caem, a população tem maior acesso ao crédito e consome mais. Este aumento da demanda pode pressionar os preços caso a indústria não esteja preparada para atender um consumo maior.

Por outro lado, se os juros sobem, a autoridade monetária inibe consumo e investimento –que ficam mais caros–, a economia desacelera e evita-se que os preços subam –ou seja, que haja inflação.

ENERGIA ELÉTRICA

Em entrevista, Campos também defendeu um acordo no Senado para a votação da medida provisória que reduz a tarifa de energia elétrica no país.

“No Parlamento, só o acordo supera o regimento”, disse ele. “Nossa posição é no sentido que ela seja votada, mas não sei se a nossa posição será suficiente. Têm outras que não estão admitindo”, afirmou o governador.

A medida provisória da energia elétrica perde a validade na próxima segunda-feira se até lá não for aprovada no Senado.

O presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), diz que ela não será votada por não cumprir o prazo de sete dias para a análise pelos senadores, estipulado após a aprovação a toque de caixa da MP dos Portos.

Apesar de defender a votação da MP, Campos diz que o governo deve trabalhar para cumprir o prazo fixado pelo Legislativo.

“Eu acho que a essa altura é preciso coordenar a questão dos prazos para que as matérias cheguem nas duas Casas a tempo de haver o debate e de se cumprir o que foi tacitamente acordado no colégio de líderes”, afirmou.

 

Fonte: Folha Online