A base do sindicato com a maior concentração de jovens profissionais é a localizada em Gavião Peixoto (77,7%)

Os metalúrgicos com até 35 anos registrados na base do sindicato da categoria, em São Bernardo, que também inclui os municípios de Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande, já representam 49,2% do total de 105 mil funcionários – ou seja, 51 mil são jovens.

O estudo inédito foi feito pela subseção do Dieese na FEM-CUT (Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da Central Única dos Trabalhadores), de São Paulo, com base nos dados da Rais (Relação Anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho), em 2011.

A base do sindicato com a maior concentração de jovens profissionais é a localizada em Gavião Peixoto (77,7%). Sorocaba (65,5%) e Itu (64 %), no Interior, aparecem logo em seguida.

Em todo o Estado, os trabalhadores com até 35 anos já representam fatia de 55,7% ou 139 mil do total de 250 mil trabalhadores da base da FEM, em São Paulo.

A pesquisa também revelou que 62,8% dos jovens têm Ensino Médio completo e apenas 11,2% Superior completo. As áreas que mais empregam esses profissionais são: aeroespacial (69,4%), eletroeletrônico (65,4%), materiais/transporte (65,3 %), naval (61,7%), máquinas e equipamentos (57,2%), siderurgia e metalurgia básica (56,2%) e automotiva (50,1%).

Além disso, 22,5% dos jovens são mulheres e a maior parte delas (52,1%) trabalha no setor eletroeletrônico. Elas têm salário menor em relação aos homens, somente nas montadoras as mulheres recebem 10% a mais do que eles.

ROTATIVIDADE – Outro dado do estudo é a rotatividade nos cargos, que chega a 39,7% nas fábricas e atinge principalmente os jovens em início de carreira.

Fonte: Diário do Grande ABC (SP)