O desvio da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para um valor acima do centro da meta deste ano, de 4,5%, é “aceitável” por conta da redução da oferta das “commodities”, principalmente alimentos, avaliou nesta quarta-feira (30) o diretor de Política Econômica do Banco Central, Carlos Hamilton Araújo, ao comentar o relatório de inflação do primeiro trimestre deste ano.

“O foco continua 4,5%, mas um desvio decorrente do choque de oferta é aceitável”, disse Hamilton Araújo.

“A política monetária [definição dos juros] do ano passado foi conduzida de trazer a inflação para a meta. Mas, no segundo semestre, o mundo foi apanhado de surpresa pelo gigantesco choque de commodities. A inflação, para se reduzir, tem sempre um custo. Estamos dizendo que, como a inflação está muito afastada do centro da meta em função de um choque de 'commodities', vamos acomodar os efeitos primários e, no ano que vem, a inflação convergiria para a meta [central de 4,5%].

Relatório de inflação
Este é mais um sinal de que o BC estaria abandonando a busca pelo centro da meta de inflação, em 2011, pelo segundo ano consecutivo.

A mesma estratégia foi adotada em 2010 – ano marcado pelas eleições para Presidência da República, governos estaduais, senadores e deputados federais. No ano passado, foi dito que a inflação convergiria para o centro da meta somente em 2011.

No relatório de inflação, divulgado na manhã desta quarta-feira, a autoridade monetária já havia informado que sua estratégia de definição dos juros tem por objetivo a convergência do IPCA para o centro da meta de inflação, de 4,5%, somente em 2012. Para este ano, a previsão do BC é de um IPCA de 5,6%, e a do mercado financeiro é de 6%.

Definição dos juros
O Banco Central é responsável por calibrar a taxa básica de juros da economia brasileira, atualmente em 11,75% ao ano, para atingir as metas de inflação pré-determinadas. Ao subir os juros, atua para conter a demanda por produtos e serviços para evitar um aumento maior dos preços.

Para 2011 e 2012, a meta central de inflação é de 4,5%, tendo por base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Porém, há um intervalo de tolerância de dois pontos percentuais para cima ou para baixo, de modo que a inflação pode oscilar entre 2,5% e 6,5% sem que a meta seja formalmente descumprida.

A previsão do mercado financeiro é de que os juros subam para até 12,25% ao ano até o fim de 2011.
 

Fonte: G1