A indústria foi o setor que mais se destacou no recém-divulgado levantamento “Avaliação Setorial”, da Serasa Experian. O estudo analisa, a cada três meses, o desempenho dos setores primário (agricultura e criação de animais), comércio, da própria indústria e dos serviços, divididos em 98 segmentos. A pesquisa relativa ao 4º trimestre de 2010, em comparação com o mesmo período de 2009, identificou melhora em 75 segmentos e estabilidade em 23. Nenhum setor registrou piora, segundo a Serasa.

O estudo conclui que, em 2010, a forte atividade econômica no Brasil favoreceu o crescimento da demanda interna, beneficiada pelo aumento do emprego e da renda, que permitiram um maior consumo das famílias. Além disso, de acordo com a Serasa, a expansão dos investimentos e a concessão do crédito a prazos mais longos também foram fatores favoráveis para o resultado da pesquisa.

O setor da indústria foi o que mais se destacou, com 44 segmentos apresentando melhora – quase 80% dos 54 pesquisados. Os outros dez segmentos ficaram estáveis. O levantamento identificou que o grupo higiene e limpeza foi impulsionado pelo aumento do consumo de bens não-duráveis pelas classes C, D e E, cujo poder aquisitivo aumentou. Já o segmento da indústria de petróleo e derivados, segundo a Serasa, foi beneficiada pelo aumento do preço do petróleo, pelo crescimento da produção e do volume de vendas aos mercados interno e externo, além da diminuição das importações de óleo bruto.
Serviços, setor primário e comércio têm resultados semelhantes

Os outros três setores pesquisados tiveram resultados semelhantes, apresentando cerca de 70% de melhora nos grupos pesquisados. No de serviços, por exemplo, 18 segmentos, quase 70% do total de 25, tiveram resultados positivos. Os outros 7 grupos ficaram estáveis. De acordo com a pesquisa, novamente as classes C, D e E foram as responsáveis pelo desempenho do setor, já que essa fatia da população passou a abrir contas em bancos e, consequentemente, a usar mais os cartões de crédito. As classes de média e baixa renda também foram as responsáveis pela expansão do turismo, favorecido pelo aumento da renda e pela ampliação dos prazos de pagamento das viagens, além da redução dos preços das passagens aéreas.

O setor primário (agricultura e criação de animais), formado por 13 segmentos, apresentou melhora em 9 e estabilidade em 4 grupos. Os melhores desempenhos foram nos segmentos de suínos, aves, algodão, café, laranja, milho, soja e cacau e agropecuária, em razão do crescimento dos preços internacionais das commodities, resultado da aquecida demanda interna e externa por alimentos.

Já o comércio, constituído por 6 segmentos, apresentou melhora em 4 deles e estabilidade nos outros 2. Segundo o levantamento, o comércio varejista e atacadista foi estimulado pelo incremento da renda e do emprego da população, favorecida pelos programas de transferência de renda mínima. E os distribuidores de combustíveis foram beneficiados pelo aumento da atividade industrial e da produção agrícola.

 

Fonte: G1