Em janeiro, no País, os segmentos metalúrgicos e de veículos automotores, relevantes para o Grande ABC, deram sinais de retomada do crescimento

 

O pessimismo acentuado para os resultados da indústria neste ano começou a resfriar. A elevação da produção industrial em 2013 será de 3,1%, preveem os analistas de mercado, contra expectativa de 3% vista na semana passada. 

Em janeiro, no País, os segmentos metalúrgicos e de veículos automotores, relevantes para o Grande ABC, deram sinais de retomada do crescimento. Mas esses indícios ainda são pontuais. Com isso, outro indicador importante do País, a expansão do PIB (Produto Interno Bruto), também foi elevado. Os especialistas esperam alta de 3,1% na atividade econômica brasileira  neste ano, enquanto a última previsão era de 3,08%. As previsões estão no boletim Focus, publicado ontem pelo BC (Banco Central). 

O documento reúne as expectativas de, aproximadamente, 100 empresas. Economista da agência classificadora de risco de crédito Austin Rating, Felipe Queiroz disse que um dos fatores que contribuem para essa mudança de interpretação foi o governo federal se manifestar dizendo que a inflação será controlada neste ano. Os resultados da pesquisa Sondagem da Indústria, da CNI (Confederação Nacional da Indústria), de janeiro, também influenciaram os agentes. O índice de evolução da produção encerrou janeiro em 48,6 pontos, contra 41,2 pontos captados em dezembro. A pesquisa vai de zero a 100 pontos e acima de 50 pontos indica aumento da produção. Porém, dentro deste cenário, as grandes empresas se destacaram, pois tiveram resultado de 51,3 pontos. A pesquisa foi realizada entre 1º e 18 de janeiro com 1.817 companhias, das quais 472 de grande porte, 692 médias e 653 pequenas. 

Em janeiro, a produção da indústria do setor de metalurgia atingiu 51,7 pontos, o que indica crescimento, revelou a CNI. No mês anterior, o registro foi de 31 pontos. Para o segmento de veículos automotores, no qual estão incluídos os fornecedores de autopeças, a pesquisa apontou 59,2 pontos. Na avaliação do gerente executivo do Arranjo Produtivo Local Ferramentaria do Grande ABC, Carlos Manuel Carvalho, o cenário para boa parte da indústria da região é positivo para esse ano. 

Isso baseado no potencial de expansão e adensamento da cadeia produtiva proporcionado pelo programa federal Inovar Auto. “O segmento tende a crescer.” Para o primeiro vice-diretor do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de São Caetano, Willian Pesinato, os bons resultados são pontuais. Se para a demanda e exportação dos segmentos de metalurgia e veículos automotores as expectativas captadas pela CNI direcionam para crescimento neste mês, Pesinato destaca que outros ramos ainda estão parados. 

Na avaliação do diretor do Ciesp, maior distribuição dos incentivos entre todos os setores da indústria, por parte do governo federal, e redução da carga tributária são correções que contribuiriam para uma melhora.

 

Fonte: Diário do Grande ABC