O cenário da metalurgia no Brasil e as possibilidades de atuação do técnico da área serão os principais temas abordados no II Encontro Científico-Tecnológico de Metalurgia e Mineração

O cenário da metalurgia no Brasil e as possibilidades de atuação do técnico da área serão os principais temas abordados no II Encontro Científico-Tecnológico de Metalurgia e Mineração (Encimet) que o Câmpus Corumbá do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) realizará em outubro, durante a Semana de Ciência e Tecnologia. As palestras serão gratuitas e abertas à comunidade.

Palestrantes das cinco regiões do país foram convidados para o evento que, no mês passado, foi contemplado com apoio financeiro da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundect). O montante disponibilizado será utilizado para cobrir as despesas com passagens e diárias dos convidados.

“Queremos traçar o panorama do setor no país. No Sul e Sudeste, a principal área da metalurgia é a de transformação enquanto no Norte o campo é o da extração, semelhante ao de nossa região, mas com diferentes métodos de beneficiamento”, explica o professor Felipe de Oliveira, que coordena a segunda edição do encontro.

O Maciço do Urucum, em Corumbá, é uma das mais importantes reservas de ferro e manganês do país e movimenta a economia local. Dados da Secretaria Municipal de Indústria e Comércio revelam que a mineração foi responsável por 85% das exportações do município entre janeiro e março deste ano, movimentando cerca de US$ 65 milhões.

Apesar do potencial, o setor de metalurgia no Estado tem como um dos gargalos a formação de mão de obra local qualificada. “Grande parte dos empregados nas empresas é de fora de Corumbá, pois quase não há oferta de cursos nesta área em nossa região”, observa Oliveira.

A escassez de cursos pode ter relação com o alto investimento necessário. “A infraestrutura que um curso de metalurgia pressupõe é muito cara e, para a iniciativa privada, o retorno é em longo prazo. Por isso, é importante o investimento do poder público”, afirma o coordenador do Eixo Tecnológico de Controle e Processos Industriais do Câmpus Corumbá, Leandro de Jesus.

IFMS – O curso técnico em Metalurgia é oferecido pelo Instituto em Corumbá desde 2011 e conta atualmente com 110 estudantes. O aluno cursa o ensino médio paralelamente às disciplinas específicas para a formação na área.

Além de aulas práticas e visitas técnicas, estudantes também se dedicam à pesquisa. Atualmente, o câmpus desenvolve sete trabalhos de iniciação científica e tecnológica na área de Metalurgia. Os bolsistas recebem R$ 100,00 por mês.

A primeira turma de Metalurgia do IFMS irá se formar em 2014. “As empresas da região nos procuram com frequência, interessadas em saber quando os estudantes concluem o curso e quais as perspectivas de formados para o futuro”, revela Leandro.

De acordo com informações do Ministério do Trabalho e Emprego, os setores de mineração extrativa e indústria de transformação empregam cerca de 15% da mão de obra em Corumbá. Em 2012, os maiores salários médios de admissão foram oferecidos por empresas do setor, chegando R$ 1.895,87.

II Encimet – Será realizado nos dias 24 e 25 de outubro como parte da programação da Semana de Ciência e Tecnologia do IFMS. Além de pesquisadores das áreas de mineração e metalurgia, o II Encimet deverá reunir profissionais ligados aos setores do meio ambiente, engenharias, automação e informática.

Fonte: Correiodecorumba.com.br