Com inflação em alta e perspectiva de desaceleração da economia, a Hypermarcas, maior empresa de bens de consumo do país, prevê redução no consumo neste ano, mas sem afetar os investimentos e planos da companhia.

“Esse será o ano da colheita. Fizemos muitas aquisições nos últimos dois, três anos. Agora é hora de colher os frutos das várias iniciativas, principalmente no ramo famarcêutico”, disse nesta segunda-feira Claudio Bergamo, presidente da Hypermarcas, durante apresentação dos resultados da empresa.

No ano passado, a Hypermarcas fez nove aquisições, no valor de R$ 4 bilhões. Em 2010, a empresa registrou um lucro líquido de R$ 261,9 milhões ante R$ no ano anterior. No quarto trimestre de 2010, o lucro líquido foi de R$ 87,9 milhões, o que representa crescimento de 6% em comparação ao mesmo período do ano anterior.

“Estamos vivendo um momento de inversão de tendência. O aumento de inflação desde setembro e outubro foi muito grande e tem provocado a necessidade de o governo fazer aumento de juros e redução de gastos governamentais”, disse Bergamo.

“Acreditamos que isso é efeito cíclico, em função da alta taxa de crescimento em 2010, que deverá acalmar-se a partir do segundo semestre de 2011. Devemos ter neste ano uma redução do poder aquisitivo dos nossos consumidores em função da inflação e um pequeno aumento da inadimplência dos consumidores. Também um aumento do custo do capital de giro e redução do nível de investimentos. Isso é necessário para controlar a inflação”, completou.

Segundo Bergamo, esse cenário deve ter “pequeno impacto de demanda no curto prazo”, aliado a possível redução de credito. Apesar disso, ele afirma que a empresa mantém seus planos de investimento.

“Temos projeto grande, que vem sendo executado, que é a consolidação de todas as operações em Anápolis e na fábrica da Mantecorp [Indústria Química e Farmacêutica SA], em Bragança Paulista. Estamos investindo na região e recentemente criamos o maior complexo farmacêutico da América Latina,” disse.

No mercado de beleza e higiene pessoal, o executivo afirmou que o plano é continuar relançando marcas, como foi feito com Risque, Bozzano e Monange. “Só no primeiro trimestre já anunciamos o relançamento de marcas bastante conhecidas, como Biorene e Denorex, e teremos outras ao longo do ano.

Fonte: Folha.com