A greve do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) impediu a divulgação completa dos dados de maio da Pesquisa Mensal de Emprego (PME). A coleta de dados foi afetada em duas das seis regiões metropolitanas pesquisadas: Salvador e Porto Alegre. Sem elas, não foi calculada a taxa média de desemprego.

A coleta de dados para a Pnad Contínua, pesquisa nacional sobre mercado de trabalho, também já sofre problemas em alguns Estados, como Paraíba e Amapá, onde a adesão à greve é maior, segundo o IBGE. Como a Pnad Contínua é trimestral, há mais tempo para sanar as dificuldades e recuperar entrevistas não feitas.

O problema, porém, é a memória do entrevistado. “O ideal é fazer a coleta perguntando o que a pessoa fez na semana anterior. Quanto mais passa o tempo, a chance de ele esquecer é maior”, diz Cimar Azeredo Pereira, coordenador do IBGE.

Segundo a presidente do IBGE, Wasmália Bivar, a Pnad Contínua é a pesquisa mais afetada pela greve, “porque é muito espalhada no território”, mas o IBGE vai remanejar funcionários para as regiões mais problemáticas. No caso da PME, sem poder calcular a média das seis regiões pesquisadas, o IBGE divulgou os dados por área.

Fonte: O Popular