A paralisação dos 300 motoristas da Viação Reunidas se encerrou no início da tarde de ontem após o pagamento do salário referente ao mês de novembro às 16 horas. A negociação foi feita em reunião no Ministério Público do Trabalho (MPT) pela manhã, com a presença de funcionários e diretores das empresas de ônibus, de representantes da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) e a procuradora Maria das Graças Prado Fleury. A greve havia começado na quinta-feira.

Durante a negociação ficou acordado que os funcionários não teriam os pontos cortados pelos seis dias sem trabalho, mas iriam compensar os períodos em que não trabalharam com horas extras sem remuneração. Além do pagamento para a tarde de ontem, a Reunidas prometeu o pagamento da segunda parcela do 13º salário até o dia 24 próximo, embora a data limite seja o dia 20. A categoria promete cobrar a multa prevista em lei por atraso no pagamento do 13º.

RECURSOS

Até a noite de segunda-feira, os empresários alegavam não ter recursos e nem meios de obtê-los para o montante dos salários.

No entanto, com a ameaça de radicalização do movimento, que prometia fechar terminais e angariar o apoio de motoristas das outras empresas, um dos sócios da Reunidas conseguiu um empréstimo bancário para quitar a dívida. A informação, no entanto, é que o recurso não é o suficiente para os salários de dezembro, que vencem no próximo mês.

Apesar do acordo, a categoria não ficou satisfeita com as propostas feitas pelos empresários, alegando que não há garantias de que haverá pagamento nos próximos meses e nem mesmo do 13º.

Fonte: O Popular