A melhoria da segurança pública e a retomada de investimentos em infraestrutura foram apontadas ontem como principais metas do governo para 2016, em reunião do governador Marconi Perillo (PSDB) com o secretariado no Palácio Pedro Ludovico Teixeira.

Depois de um balanço sobre os resultados do ajuste fiscal este ano, o governador reforçou a necessidade de manter economia para garantir investimentos e abordou rapidamente os planos estabelecidos pelo programa Goiás Mais Competitivo em cada uma das áreas.

Não é a primeira vez que segurança é apontada como foco do governo. Em dezembro de 2013, Marconi anunciou que 2014 seria “o ano da segurança pública”, com compra de equipamentos, veículos e aumento do orçamento. No discurso de posse este ano, Marconi falou que, ao lado de educação e saúde, segurança seguiria passando por “fortes e decididas mudanças”.

Destacado para falar com a imprensa sobre a reunião de ontem, o secretário de Gestão e Planejamento, Thiago Peixoto, disse que, ao estabelecer mais uma vez a segurança como foco, o governo “reconhece que tem de avançar e entende a forte demanda da sociedade”.

Segundo ele, o setor terá mais recursos e metas bem detalhadas, com maior peso na redução de homicídios. “O governo vai dar grande atenção à área. Não alcançamos ainda todos os resultados esperados e vamos intensificar o foco nas políticas públicas para o setor”, diz o secretário.

As metas da segurança devem ser divulgadas na segunda quinzena de janeiro. O governo tem anunciado aos poucos as metas de cada área. Até agora, já houve divulgação para o setor de transparência e da saúde. A próxima área deve ser desenvolvimento.

Thiago diz que não foi abordada a insatisfação dos servidores da segurança pública e que o governo reafirma a falta de condições para reajustes. “Existe um pleito salarial, que é legítimo, mas, comparado a outros Estados, não temos uma remuneração ruim em Goiás. Qual governador não gostaria de pagar muito mais? Mas as dificuldades financeiras não permitem.”

Na reunião, o governador reforçou o apoio à secretária de Educação, Raquel Teixeira, para levar adiante o projeto de transferência da gestão de escolas para organizações sociais. “Não se muda a educação sem mudar o modelo atual. Não podemos deixar o corporativismo vencer a inovação”, resumiu o secretário.

 

Contas

O titular da Segplan afirmou que o governo pode alcançar superávit orçamentário este ano, apesar de confirmar déficit fiscal. “O ajuste continua, mas parte tem foco muito grande em novos investimentos, em especial na área de infraestrutura, nas rodovias”, afirmou.

O governador afirmou na reunião que quer que o primeiro ato de liberação orçamentária de 2016 seja para manutenção de rodovias. A área enfrentou problemas este ano por falta de recursos.

O corte de comissionados não foi abordado na reunião. O governador anunciou no final de novembro que pretende extinguir 500 cargos.

Fonte: O Popular