Números divulgados pela Secretaria da Indústria e Comércio apontam crescimento em Goiás acima do esperado para o País

Os dados não poderiam ser mais positivos para Goiás num momento em que os economistas em geral recomendam “pé no freio” na economia brasileira. O secretário da Indústria e Comércio, Rafael Lousa, divulgou, ontem à imprensa e ao representante do Fórum Empresarial, Pedro Alves de Oliveira, presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), os resultados da Balança Comercial de 2013. 

Pelos números projetados, o Estado repetiu saldo comercial superavitário de US$2,2 bilhões, correspondentes em reais a R$ 5.192 bilhões, tendo superado em 0,6% o ano de 2012. Esses percentuais são ainda pequenos, mas diante de um contexto nacional anêmico, as autoridades governamentais e empresariais goianas veem como “relevantes”. 

Há uma insatisfação generalizada das lideranças empresariais contra a logística de transportes e da tributação elevada. Para eles, esses fatores dificultam os investimentos e encarecem os custos da produção e, por consequência, do próprio desenvolvimento nacional. E tendem a refletir na balança comercial. 

 

O secretário da Indústria e Comércio apresentou os números referentes a todo o ano de 2013, quando o Estado repetiu saldo comercial superavitário de US$ 2,2 bilhões, tendo superado em 0,6% o ano de 2012. Conforme dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), elaborados pela Gerência de Inteligência Comercial Competitiva da Superintendência de Comércio e Serviços da SIC, foram exportados US$ 7,07 bilhões, enquanto US$ 4,8 bilhões correspondem às importações. Este foi maior saldo comercial já registrado no Estado, desde o início da divulgação das operações da Balança Comercial e o segundo melhor resultado em exportações de toda a história do comércio exterior de Goiás.

Rafael Lousa comemorou os recordes de 2,9% da participação de Goiás em relação às exportações brasileiras. Não apenas esse crescimento ano após ano da presença do Estado nas operações de comércio exterior brasileiras, mas também a diversificação de produtos negociados, já que em 2013 Goiás exportou 948 tipos diferentes de produtos para os mercados internacionais, 22 variedades a mais que no ano anterior.

Destaques

Mais uma vez a soja se destacou em valores de comercialização, acompanhando as carnes e os couros, cujo crescimento em números foi de 3% para a soja; 8% para as carnes e 19% para os couros. Outro produto que também recuperou espaço de negócios externos foi o ouro, cujo volume de vendas em 2013 aumentou 100% em relação a 2012. Cresceram as demandas externas também dos produtos manufaturados, entre estes os farmacêuticos (+87%); veículos (+20%) e preparações alimentícias (+88%). 

Parceria comercial

Goiás tem na China, tradicionalmente, a excelência no volume de negócios, e no ano passado não foi diferente. O país asiático manteve-se como principal destino das exportações goianas, apresentando incremento de 13% em relação a 2012. Foi seguido pela União Européia, cujo portão de entrada é o Porto de Roterdã, na Holanda, daí alcançando todos os países europeus, cujo volume de negócios em 2013 cresceu mais de 31% em relação a 2012.

A diminuição das importações de veículos automotores puxou os resultados para baixo em -31%, o que, na contrapartida, representou aumento das exportações de veículos em 20% para o mesmo período analisado. Os produtos que tiveram aumento nas importações foram os bens a serem incorporados aos processos produtivos, como insumos industriais. Dois volumes de negócios destacam-se entre estes, os adubos e fertilizantes (+12%) e produtos químicos orgânicos (+13%).

Segundo Rafael Lousa, o saldo superavitário em mais de US$ 2,2 bilhões foi o melhor da história do Estado. Ele destacou o fato de Goiás ter ainda aumentado  consideravelmente sua participação nas exportações, contribuindo com  2,9% de tudo o que o Brasil exportou em 2013. “Temos a comemorar também a diversificação da nossa pauta exportadora uma vez que foram exportados 948 tipos diferentes de produtos para 158 países. O incremento da Pauta exportadora do Estado significa que estamos no caminho certo. Estamos levando Goiás para o mundo através de produtos de excelente qualidade e procedência tudo isso de forma responsável e sustentável”, finalizou o Secretário. 

 

Fonte: Diário da Manhã