Resultado não será surpresa, para analistas. Baixas foram provocadas, principalmente, por fatores sazonais

SÃO PAULO – O resultado do quarto trimestre de 2011 da Gerdau (GGBR4), que será divulgado na próxima quarta-feira (15) após o fechamento do mercado, deve apresentar queda nas margens de rentabilidade. Porém, os dados mais fracos devem ocorrer por fatores sazonais, e não deve apresentar maiores surpresas, de acordo com analistas de mercado.

Para a equipe de análise da Ágora, o resultado da Gerdau não deve revelar nenhuma novidade, ainda mais com relação às fracas vendas registradas no período devido a fatores sazonais. Segundo a corretora, as vendas da Gerdau no Brasil devem cair cerca de 10% e deve procurar aumentar as exportações para compensar a perda no volume de vendas.

Já de acordo com os analistas do BTG Pactual, Edmo Chagas e Antonio Heluany, os volumes devem se manter na comparação trimestral. Entretanto, as operações brasileiras sofrerão com um portfólio mais fraco, com o declínio das vendas no mercado doméstico e as maiores exportações, resultando em preços médios mais baixos, enquanto as receitas também serão afetadas.

Apesar do quarto trimestre apresentar resultados mais fracos do que o terceiro no setor siderúrgico, os analistas do Deutsche Bank, Rodrigo Barros e Leandro Cappa, avaliam que o resultado será mais impactado que o usual, principalmente nas operações norte-americanas. Entretanto, a companhia segue com recomendação de compra para os ativos da companhia, considerando-a a top pick do setor. “Porém, no curto prazo, nós acreditamos que os investidores podem diversificar seus investimentos no setor siderúrgico, aumento a exposição na CSN (CSNA3)”, afirmam Barros e Cappa.

Margens mais baixas

Já nos EUA, os menores volumes, com uma queda de 3% na base trimestral, e os altos custos devem reduzir as margens operacionais da companhia, apontam os analistas do BTG. O mesmo é esperado na Espanha, com uma estimativa de queda no volume de vendas de aço no país em 5% no trimestre, em conjunção com os aumentos dos custos. De acordo com a Ágora, a queda nas vendas nos EUA ocorre por fatores sazonais, não relazionados à situação macroeconômica do país.

Heluany e Chagas apresentam expectativa de R$ 1 bilhão de Ebitda (geração operacional de caixa), com margem Ebitda (relação percentual entre a receita líquida e o Ebitda) de 12%, com receita de R$ 9 bilhões e lucro líquido de R$ 339 milhões, uma queda de 52% na comparação trimestral. Já a equipe de analistas da Ágora espera um Ebitda de R$ 956 milhões, com queda de 21,3% no trimestre e um lucro líquido de R$ 365 milhões, com baixa de 48,8% no mesmo período.

Por sua vez, o Bank of America Merrill Lynch espera um resultado não muito forte no quarto trimestre, com margem Ebitda consolidada de 11,8%. No Brasil, a expectativa é por uma margem Ebitda estável ou até mais baixa ao redor de 15%, principalmente em função das alta dos custos, além do portfólio de vendas mais fracos. Para os analistas do BofA, Felipe Hirai, Thiago Lofiego e Karel Luketic, o COGS (custo dos produtos vendidos)deve aumentar em 14%, em meio a menor margem de lucro dos metais e os menores volumes.

Divisão de aços
A divisão de aços também deve ter sofrido impactos no quarto trimestre, avalia a equipe de análise da Ágora, devido às férias coletivas obrigatórias no setor automotivo em razão do alto volume de estoques. “Entretanto, a perspectiva para o setor no Brasil é positiva para 2012, dada à nova política de aumento de 30% no imposto de carro importados”, afirma a corretora. 

Confira a prévia de resultados da Gerdau para o quarto trimestre de 2011:

 

(em R$ milhões) 4T11E* 3T11 4T10 4T11E/3T11 4T11E/4T10 
Receita Líquida 

8.992

8.967 7.800 +0,28% +15,28%
Lucro líquido 320,66 707 369 -54,64% -13,10%
Ebitda** 1.016 1.215 1.151 -16,38% -11,73%
Margem Ebitda*** 11,6% 13,6% 14,8% – 2 p.p. – 3,2 p.p.

Fonte: InfoMoney