José Fernandes tomou posse para mais um mandato da Diretoria da Federação

Numa cerimônia realizada nas instalações do SINTEPAV-CE em Fortaleza-CE, José Fernandes tomou posse para mais um mandato da Diretoria da Federação dos Trabalhadores Metalúrgicos do Nordeste para o período de 2012/2017 no último dia 20 de abril.

Estiveram presentes à cerimônia vários amigos e sindicalistas para prestigiarem o evento, tais como: Reginaldo Aguiar, supervisor técnico do DIEESE no CE; Francisco Antônio, presidente da Câmara Municipal de Maracanaú e presidente da Federação dos Trabalhadores Têxteis de Maracanaú e Maranguape; Eugênia Elce, secretária geral do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Juazeiro do Norte e o presidente da Confederação dos Trabalhadores Metalúrgicos e vice-presidente da Força Sindical Miguel Torres que veio à Fortaleza exclusivamente para empossar a nova diretoria.

Entre as lideranças que sentaram à mesa estava Nair Goulart, presidente da Força Sindical BA. O Estado da Bahia não integrava os estados que faziam parte da Federação dos Trabalhadores Metalúrgicos do Nordeste e hoje veio somar força e trabalho.

Para Raimundo Nonato Gomes, presidente da Força Sindical CE, a nova diretoria terá um grande sucesso, visto a credibilidade e empenho de José Fernandes que também é vice-presidente da Força Sindical CE mais uma vez à frente da Federação.

Durante a cerimônia, José Fernandes discursou emocionado sobre o papel do sindicalismo no Brasil, enfatizando a unidade dos estados, o apoio da CNTM e o trabalho que pretende desenvolver para deixar a Federação ir mais longe. Agradeceu a presença de todos os que estavam presentes, em especial da diretoria e dos companheiros que vieram de outros estados como Nair Goulart e do presidente da CNTM, Miguel Torres que sempre se mostrou solidário à luta dos metalúrgicos no Estado do Ceará.

“Vamos tocar a nossa Federação à passos largos, a nossa receita é pequena, mas estamos trabalhando para melhorar”, afirmou José Fernandes e passou a palavra ao presidente da CNTM, Miguel Torres para encerrar os trabalhos.

Miguel Torres ressaltou sobre o Brasil no cenário da crise mundial, “o movimento sindical brasileiro enfrentou e ajudou o Brasil a sair da crise, com aumento real de salário, elevação do consumo interno no país, e hoje temos quem queira acabar com o imposto sindical. O que acabará consequentemente com o nosso movimento sindical.”

Fonte: Mundo Sindical